CartaExpressa

Dona Florinda, de Chaves, pede combate a notícias falsas e elogia Lula: ‘Tem ideia de união’

‘Até os veículos de comunicação, por exemplo, mentem sobre mim e fica por isso’, lamentou a artista mexicana

A atriz mexicana Florinda Meza. Foto: Reprodução/Redes Sociais
Apoie Siga-nos no

A atriz Florinda Meza, eternizada como a Dona Florinda no seriado mexicano Chaves, defendeu o combate às fake news e fez menções elogiosas ao presidente Lula (PT). As declarações foram concedidas ao site Metrópoles.

“Acho que todos nós fomos vítimas de calúnias alguma vez. Nas redes sociais, é terrivelmente ruim, porque são anônimas e destroem uma pessoa”, disse a artista. “Até os veículos de comunicação, por exemplo, mentem sobre mim e fica por isso, porque eles têm a obrigação de investigar.”

Ela também declarou que as notícias falsas intensificam a polarização política no México e no Brasil.

“É triste, porque não escutamos uns aos outros. Talvez por isso o México esteja tão polarizado. Por isso o Brasil está tão polarizado. Agora vocês têm um presidente que tem uma ideia mais de união e concordância. Tomara que isso possa uni-los, porque são um grande povo. Ninguém se entende polarizado. Devemos estar todos de mãos unidas.”

Florinda Meza vem ao Brasil para participar do Educa Fest, um evento de educação que ocorrerá em abril no Rio de Janeiro e em São Paulo.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar