CartaExpressa

Dino defende mandato de 11 anos para ministros do STF

O ministro da Justiça pode ser indicado pelo presidente Lula para ocupar a vaga deixada na Corte por Rosa Weber

O atual ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino, indicado para o STF. Foto: Pedro França/Agência Senado
Apoie Siga-nos no

O ministro da Justiça, Flávio Dino, defendeu nesta segunda-feira 2 a adoção de um mandato de 11 anos para magistrados do Supremo Tribunal Federal. Em 2009, quando era deputado federal pelo PCdoB do Maranhão, ele apresentou uma proposta de emenda à Constituição a fim de instituir a medida.

“Defendi [em 2009] e defendo até hoje. Esse é um modelo bom, modelo que a Europa pratica. Os EUA não, os EUA têm a cláusula do ‘enquanto bem servir’, que não tem nem a aposentadoria compulsória. São modelos bem diferentes, mas eu acho que o mandato é uma mudança importante”, disse Dino em entrevista à GloboNews.

Ele declarou, porém, que essa mudança teria de ser retroativa, ou seja, não deveria atingir os ministros que já estão na Corte. A definição de um mandato em 11 anos se deve, segundo Dino, a uma “média aritmética dos principais países da Europa”.

Flávio Dino é um dos favoritos a ocupar a vaga deixada no STF por Rosa Weber, recém-aposentada. Também seguem cotados para uma indicação do presidente Lula:

  • Jorge Messias, advogado-geral da União; e
  • Bruno Dantas, presidente do Tribunal de Contas da União.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar