CartaExpressa

Deputado bolsonarista aciona a PGR contra Boulos por post do MTST sobre a Páscoa

Paulo Bilynskyj alega ter havido ultraje a culto, previsto no Código Penal

Boulos criticou o atual prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes (MDB) pelo PSOL. Foto: Vinicius Loures/Câmara dos Deputados
Apoie Siga-nos no

O deputado federal Paulo Bilynskyj (PL-SP) protocolou na Procuradoria-Geral da República uma notícia-crime contra o deputado Guilherme Boulos (PSOL-SP), ex-coordenador do MTST, devido a uma postagem do movimento sobre a Páscoa nas redes sociais.

Trata-se de uma imagem de Jesus Cristo crucificado, enquanto um dos soldados romanos diz: “bandido bom é bandido morto” – um slogan da direita brasileira para vender a eliminação de supostos criminosos como solução para a crise de segurança pública.

Bilynskyj acusa Boulos da prática de ultraje a culto e impedimento ou perturbação de ato a ele relativo, previsto no Código Penal. “Diante do exposto, requer seja a presente notícia-crime recebida, a fim de que seja investigada e punida a grave conduta aqui exposta”, pede o bolsonarista.

No sábado 30, Boulos, pré-candidato à prefeitura de São Paulo, acusou o prefeito Ricardo Nunes (MDB) de distorcer a publicação do MTST para criar “terrorismo moral”, com objetivos eleitorais. Também afirmou que a aliança entre o emedebista e o bolsonarismo “é de princípio e método”.

Diante da repercussão, o MTST declarou ter faltado interpretação e usou a passagem bíblica de Lucas, capítulo 23, para se justificar. “A falta de interpretação da imagem e da mensagem desse post é de se impressionar”, reagiu o movimento.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.