CartaExpressa

CPI vai votar quebra de sigilo fiscal de Carlos Wizard, diz Randolfe

CPI vai votar quebra de sigilo fiscal de Carlos Wizard, diz Randolfe

Empresário é suspeito de integrar o ‘gabinete paralelo’ que orientou a condução de Jair Bolsonaro da pandemia

(Foto: Wikimedia Commons)

(Foto: Wikimedia Commons)

O vice-presidente da CPI da Covid, o senador Randolfe Rodrigues, da Rede-AP, disse que a Comissão irá votar a quebra de sigilo fiscal e bancário do empresário Carlos Wizard nesta quarta-feira 16. A declaração foi dada em entrevista concedida ao UOL News na manhã desta terça-feira 15.

A medida, segundo Rodrigues, será uma ação complementar à quebra de sigilo telefônico já aprovada pela CPI. A intenção do senador é conseguir informações mais detalhadas sobre a atuação de Wizard na condução paralela do governo federal da pandemia.

Carlos Wizard é suspeito de integrar o ‘gabinete paralelo’ que orientou a condução de Jair Bolsonaro da pandemia. O depoimento do ‘Mr. Cloroquina’ à CPI estava marcado para esta quinta-feira 17, mas não deve ocorrer já que o empresário não está no Brasil e não foi autorizado a prestar depoimento por videochamada.

Osmar Aziz, presidente da CPI, informou que solicitou mais informações aos advogados de Wizard sobre a não resposta, até o momento, acerca do comparecimento do empresário ao Senado.

Caso o não comparecimento se confirme, a comissão de inquérito já informou que irá pedir na Justiça a condução coercitiva de Wizard. Na noite desta segunda, dois senadores ouvidos por CartaCapital disseram que a decisão sobre a condução seria tomada na quarta ou na quinta-feira. Na abertura da sessão que ouve o ex-secretário de Saúde do Amazonas, Marcellus Campelo, Aziz reforçou o posicionamento.

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem