CartaExpressa

Comissão da Câmara aprova convite para ouvir Elon Musk sobre suposto abuso de autoridade no Brasil

Os autores dos pedidos são deputados federais do PL e do PP

O mais espalhafatoso dos extremistas do Vale do Silício – Imagem: Dimitrios Kambouris/Getty Images/AFP
Apoie Siga-nos no

A Comissão de Segurança Pública da Câmara aprovou, nesta terça 23, um convite para que o bilionário Elon Musk, dono do X (antigo Twitter), preste esclarecimentos em caráter de urgência sobre supostos abusos de autoridade cometidos por agentes brasileiros.

O colegiado também aprovou outro pedido semelhante que, além de Musk, convida o ativista norte-americano Michael Shellenberger para participar de uma reunião na comissão. Os autores dos pedidos são os deputados federais Sanderson (PL-RS) e Delegado Fabio Costa (PP-AL).

Ainda não previsão de quando as audiências acontecerão.

Os requerimentos foram apresentados na esteira do embate que o bilionário tem travado contra o ministro Alexandre de Moraes e o Supremo Tribunal Federal. Nas redes sociais, o empresário chegou a dizer que poderia descumprir ordens judiciais brasileiras e publicou mensagens ofensivas ao magistrado.

Depois dos ataques, ele foi incluído ao Inquérito das Milícias Digitais, a apurar a ação de influenciadores e políticos que usam o ambiente digital para divulgar informação falsa, em especial contra o processo eleitoral brasileiro.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.