CartaExpressa

Caso Marielle: Viúva de miliciano reforça que vereador é mandante do crime, diz revista

Caso Marielle: Viúva de miliciano reforça que vereador é mandante do crime, diz revista

Em tentativa de acordo com o Ministério Público, Julia Lotufo revelou os nomes de quem sondou Adriano da Nóbrega para matar a vereadora

Júlia Lotufo e Adriano da Nóbrega. Foto: Reprodução

Júlia Lotufo e Adriano da Nóbrega. Foto: Reprodução

A viúva do ex-capitão Adriano da Nóbrega, Julia Mello Lotufo, apresentou uma proposta de delação premiada ao Ministério Público do Rio de Janeiro com o objetivo de resgatar a sua liberdade. A mulher cumpre prisão domiciliar sob a acusação de participar de um esquema de lavagem de dinheiro proveniente das atividades criminosas de seu ex-marido.

O acordo ainda não foi rechaçado e nem aceito. Em um dos anexos do acordo, Julia fala sobre a morte da ex-vereadora Marielle Franco, da qual Adriano é suspeito de participação. O conteúdo foi acessado com exclusividade pela revista Veja.

Ela contou que Maurício Silva da Costa, conhecido como Maurição, um dos chefes da milícia de Rio das Pedras, procurou Adriano, a pedido do ex-vereador Cristiano Girão, líder da comunidade de Gardênia Azul, para sondá-lo sobre a possibilidade de execução da vereadora.

De acordo com a viúva, o ex-­capitão não aceitou a proposta primeiro porque o assassinato de uma parlamentar geraria enorme repercussão e se tornaria um problema para todos os milicianos da região. Segundo, porque Adriano achava que a atuação de Marielle em favor da população carente das comunidades jamais atrapalharia os negócios da milícia.

“Pelo amor de Deus, não traga esse problema para cá”, teria sido a resposta do ex-capitão. Tempos depois, ocorreu a execução. Adriano então convocou os integrantes da milícia de Rio das Pedras para pedir explicações. Segundo o relato de Julia, ele teve a certeza de que “Maurício deu ok para Girão no homicídio de Marielle” e que o executor foi Ronnie Lessa, preso e acusado pelo MP de matar a vereadora.

 

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem