CartaExpressa

Caso Marielle: Maxwell Simões chega a Brasília e será levado a presídio federal

A prisão preventiva foi determinada pela Justiça do Rio de Janeiro

Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

O ex-sargento do Corpo de Bombeiros Maxwell Simões Correa, suspeito de envolvimento na morte da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, chegou a Brasília na tarde desta terça-feira 25. Ele será transferido para a penitenciária federal da capital, de segurança máxima.

A prisão preventiva foi determinada pela Justiça do Rio de Janeiro, que viu ligação do militar com o assassinato. Maxwell, mais conhecido como Suel, foi preso na segunda-feira na Operação Élpis, que apura os homicídios ocorridos em março de 2018.

Ele já havia sido preso por suspeitas de envolvimento no caso. Em 2021, foi condenado a quatro anos de prisão por atrapalhar as investigações. O ex-bombeiro cumpria a pena em regime aberto.

Suel entrou no centro das investigações após a descoberta de que ele era o dono do carro usado para esconder as armas que estavam em um apartamento de Ronnie Lessa, ex-policial militar acusado de disparar contra Marielle e Anderson.

De acordo com as investigações, Suel e Lessa teriam feito uma campana em 1º e 2 de fevereiro de 2018 para acompanhar a rotina de Marielle. Os registros de Estações Rádio-Base mostraram que os dois estavam no local e no Cobalt usado no monitoramento e no crime.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar