CartaExpressa

Candidato da terceira via será viável após setembro de 2022, admite ACM Neto

Para presidente do DEM, partido que se uniu ao PSL para a formação do União Brasil, nenhum nome novo terá o recall de Lula e Bolsonaro

ACM Neto. Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

O presidente do DEM, ACM Neto, que acaba de aprovar a fusão com o PSL para a formação do União Brasil, afirmou nesta quinta-feira 7 que o candidato que represente a terceira via na eleição presidencial deve se viabilizar somente após setembro de 2022.

Em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo, o dirigente partidário disse ainda que vai trabalhar para que o segundo turno não fique entre o ex-presidente Lula e o presidente Jair Bolsonaro.

“Vamos trabalhar muito para evitar que este cenário se coloque. O nascimento do partido tem esse objetivo, de dar uma mexida, uma sacudida nesse campo. Temos hoje no partido três quadros que vocês sabem: Pacheco, Mandetta e Datena”, declarou.

“Vamos deixar de conversar com outros partidos? Não. Não vamos. Ao contrário. A gente quer ampliar este diálogo. Eu acho que nenhum candidato novo, para quebrar a polarização, vai ser realmente viável antes de setembro do ano que vem porque nenhum deles tem o recall, a base de já ter sido testado nas urnas, como Bolsonaro e Lula”, admitiu Neto.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.