CartaExpressa

Após se filiar ao PSL, Datena critica fusão com o DEM

O apresentador José Luiz Datena (PSL) desqualificou dois dos seus possíveis adversários na disputa presidencial de 2022: Mandetta e Pacheco

O apresentador José Lui Datena, da Band. Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

O apresentador José Luiz Datena (PSL) desqualificou dois dos seus possíveis adversários na disputa presidencial de 2022. De acordo com o jornalista,  ele não perderia nem para o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta (DEM) e nem para o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG).

“Duvido que eu perca para o Pacheco e para o Mandetta em termos de pesquisa. Em pesquisa séria, eu não perderia nem para o Pacheco nem para o Mandetta”, afirmou ao UOL.

Os partidos de Datena e dos dois adversários caminham para uma fusão. Na terça-feira 28, o PSL autorizou a convocação de uma convenção nacional com o DEM para deliberar sobre a união das siglas.

A junção, no entanto, já provoca rusgas antes de acontecer. “Mandetta está falando toda hora como candidato. O Pacheco está na dele. Mas o Mandetta fica se lançando como candidato. Eu, sinceramente, não vejo com potencial, apesar de respeitar o Mandetta e o partido dele”, disse Datena.”Agora, talvez um partido só, eu não vejo o Mandetta como potencial nem à quarta via, quanto mais à terceira via”.

“Não me atrai muito essa fusão. E, pelo jeito, eles não vão cumprir com o acordo de que, baseado em pesquisa técnica, lançariam o candidato”, acrescentou o comunicador. “O meu ponto de fusão é diferente do deles. Eu, para me tornar gasoso em dois segundos, desapareço e evaporo. A responsabilidade toda é deles. Os caras que me convidaram, que me lançaram candidato a presidente da República. A responsabilidade é deles, não é minha.”

 

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.