CartaExpressa

Brasil cria 196,9 mil empregos em abril, mas situação segue pior do que em 2021

De janeiro a abril do ano passado, o País tinha criado 894 mil vagas, este ano, o volume soma 770 mil postos de trabalho

Salário mínimo não teve aumento real em 2022. Foto: Marcelo Casal Jr./Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O Brasil registrou um saldo positivo de 196,9 mil vagas de emprego em abril deste ano, segundo os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados, com atraso devido a um problema técnico, pelo Ministério do Trabalho e Previdência nesta segunda-feira 6.

Ao todo, foram criados no País 1,85 milhão de empregos formais em abril deste ano. Neste mesmo mês, no entanto, 1,66 milhão de trabalhadores foram demitidos no Brasil, de acordo com a pasta.

O volume coloca o Brasil em um patamar melhor do que no mesmo mês do ano passado, quando criou só 89,5 mil postos de trabalho, mas pior no acumulado do período. De janeiro a abril de 2021, o País tinha criado 894,7 mil vagas de emprego, no mesmo intervalo neste ano, o volume soma 770,6 mil postos de trabalho.

O Brasil ainda fechou o mês de abril com número de empregados formais superior ao de março. Neste mês, o País tinha saldo de 41,5 milhões de empregos com carteira assinada, ante 41,3 milhões do mês anterior. Em abril do ano passado o saldo estava em 38,8 milhões.

A comparação dos resultados de abril, vale ressaltar, só é possível com 2021, já que em janeiro daquele ano, o governo federal modificou a metodologia usada no Caged.

Importante ressaltar também a diferença entre os dados desta segunda, divulgados pelo governo federal, com os dados do IBGE, publicados na semana passada. Segundo o instituto, a taxa de desemprego no Brasil caiu para 10,5% no trimestre encerrado em abril, para o menor nível desde 2016, mas a falta de trabalho ainda atinge 11,3 milhões de brasileiros. O IBGE, diferente do Ministério do Trabalho, monitora também as modificações no emprego informal e sem carteira assinada.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.