CartaExpressa

Bolsonaro mente sobre situação econômica e tenta comparar sua gestão com a de Haddad

Bolsonaro mente sobre situação econômica e tenta comparar sua gestão com a de Haddad

'O Brasil é o que menos está sofrendo com a economia. Tem alguns revoltados comigo aí', disse

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

O presidente Jair Bolsonaro voltou a afirmar nesta segunda-feira 18 que caso o chefe do Poder Executivo fosse o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT) o Brasil se encontraria em uma situação ainda mais desfavorável na pandemia.

Em conversa com apoiadores na saída do Palácio do Alvorada, o ex-capitão ainda mentiu sobre a situação econômica do País.

“O Brasil é o que menos está sofrendo com a economia. Tem alguns revoltados comigo aí. Se tivesse o Haddad aqui vocês viriam o que é a desgraça aqui. Lockdown, passaporte da vacina, vocês iam ver só”, disse o presidente.

Haddad, que concorreu com Bolsonaro na eleição de 2018, tem sido um dos principais alvos dos ataques do presidente. Recentemente, em sua live semanal, o ex-capitão insinuou que o petista seria ateu.

“Se eu quisesse fazer fake news contra o Haddad, o que é fake news contra o Haddad? Dizer que ele acredita em Deus, que ele é contra o aborto, que ele defende a família, que o seu partido não roubou ninguém, que ele é contra as drogas. Isso é fake news“, disse o presidente.

Haddad, porém, se declara como cristão, assim como o seu avô, que era padre de uma Igreja Ortodoxa no Líbano. Em seu Instagram, o petista publicou, em setembro de 2018, uma foto em que recebe uma “bênção” de um padre da Igreja Católica, em celebração aos 30 anos de casamento com Ana Estela.

Mais cedo, durante evento em Minas Gerais, a pauta do presidente foi a economia. De acordo com ele, nesta semana vai se resolver “a questão do preço do diesel”. Só não disse como.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem