CartaExpressa

Bolsonaro inelegível: Dino busca indenização por danos que o ex-presidente causou à União

A manifestação ocorreu logo após o Tribunal Superior Eleitoral condenar o ex-presidente a oito anos fora das urnas

O ministro da Justiça, Flávio Dino. Foto: Arthur Soares / SEGAB/GOVSE
Apoie Siga-nos no

O ministro da Justiça e da Segurança Pública, Flávio Dino, afirmou que acionará a Advocacia-Geral da União contra Jair Bolsonaro. A manifestação ocorreu logo após o Tribunal Superior Eleitoral condenar o ex-presidente a oito anos de inelegibilidade.

A ação julgada pelo TSE mirava a reunião promovida com embaixadores em julho de 2022. Na agenda, transmitida pela TV Brasil, o então presidente repetiu mentiras sobre o sistema eleitoral e atacou instituições.

“Decisão do TSE prova a perpetração de ataques abusivos ao Sistema de Justiça e à ordem jurídica”, resumiu Dino. “Por isso, enviarei requerimento à AGU visando análise de ação de indenização pelos danos causados ao Poder Judiciário da União e à sociedade, em face da conduta do Sr. Bolsonaro.”

Antes, o ministro afirmou extrair três mensagens do julgamento no TSE: “mentir não é ferramenta legítima para o exercício de uma função pública; política não é regida pela ‘lei da selva’, em que o mais forte tudo pode; e a democracia venceu o mais duro teste de estresse das últimas décadas”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar