CartaExpressa

Barroso: Judiciário transferiu R$ 63 milhões para socorro ao Rio Grande do Sul

O montante mencionado pelo presidente do STF se refere a penas pecuniárias em depósito judicial

Presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luís Roberto Barroso. Foto: Rosinei Coutinho/SCO/STF
Apoie Siga-nos no

O presidente do Supremo Tribunal Federal, Luís Roberto Barroso, afirmou nesta quarta-feira 8 que o Judiciário já transferiu 63 milhões de reais para a Defesa Civil do Rio Grande do Sul, em meio às fortes chuvas que castigam o estado desde a semana passada.

Segundo o mais recente balanço, 100 pessoas morreram em decorrência dos temporais e 4 mortes seguem sob investigação. Há também 128 desaparecidos, 372 feridos e 230,4 mil pessoas fora de casa (considerando desabrigadas e desalojadas).

O montante mencionado por Barroso no início da sessão plenária do STF se refere a penas pecuniárias em depósito judicial – ou seja, multas e sanções aplicadas pelos tribunais. Na semana passada, o ministro recomendou às Cortes do País a destinação do dinheiro a ações no RS.

Barroso também afirmou que pensa em montar no Conselho Nacional de Justiça um comitê de monitoramento para auxiliar o estado na tramitação de processos judiciais.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.