CartaExpressa

Auxílio a caminhoneiros pode ser abandonado antes de começar, admite Tarcísio de Freitas

‘Como a reação não foi boa, eu não sei se o governo vai seguir em frente’, disse o ministro

Foto: EBC Créditos: EBC
Foto: EBC Créditos: EBC

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, disse que o auxílio de 400 reais a caminhoneiros, anunciado pelo presidente Jair Bolsonaro, pode ser descartado. O motivo seria a reação negativa da categoria.

“Se a gente pensar naquilo que dá para comprar de diesel, é pouco. Mas, quando a gente pensa na perspectiva da renda – muitos às vezes não têm uma renda de 2.000 mil reais líquidos por mês -, a gente poderia oferecer 20% da renda que ele tem”, disse Tarcísio em entrevista à Jovem Pan na quarta-feira 27.

“Era um esforço fiscal que o governo estava disposto a fazer. Mas, como a reação não foi boa, eu não sei se o governo vai seguir em frente com o auxílio.”

Em 21 de outubro, durante transmissão nas redes sociais, Bolsonaro afirmou que o auxílio de 400 reais chegaria a 750 mil caminhoneiros, para tentar compensar a alta do diesel.

“Isso é muito, isso é pouco? É o possível, no momento. Isso dá um pouco mais de 3 bilhões de reais ao longo de um ano. Dentro do orçamento”, disse na ocasião o ex-capitão.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!