CartaExpressa

Após 5 dias sem agenda, Bolsonaro irá trabalhar apenas uma hora e meia nesta quarta-feira

Agenda oficial do presidente não tinha compromissos marcados desde sexta-feira 21

Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

A agenda de Jair Bolsonaro (PL) volta a ter compromissos oficiais nesta quarta-feira 26 após cinco dias. A lista de obrigações oficiais, no entanto, não é extensa e conta com duas reuniões internas que somam apenas 1 hora e 30 minutos de trabalho.

O primeiro compromisso oficial desta quarta é com Pedro Cesar Sousa, subchefe para Assuntos Jurídicos da Secretaria-Geral da Presidência da República. A agenda deve começar por volta das 15 horas e durar cerca de 1 hora.

O compromisso com Pedro é bastante comum na agenda. Aliado de longa data, ele já foi assessor de Bolsonaro quando ainda era deputado e chegou a ser chefe de gabinete do ex-capitão no Legislativo e na Presidência. Major da reserva, já ocupou interinamente a Secretaria-Geral.

A agenda com Pedro é comum, pois, além de prestar assessoria e consultoria jurídica, é ele quem também prepara os despachos presidenciais e submete os textos ao presidente. As funções estão listadas no site do próprio governo.

A outra agenda de Bolsonaro é ainda mais curta: meia hora com o ministro das Comunicações Fábio Faria. O encontro está previsto para iniciar às 16 horas.

Bolsonaro estava com a agenda livre desde sexta-feira 21, quando retornou ao Brasil para participar do velório da mãe, Olinda Bolsonaro. No sábado, permaneceu no interior de São Paulo sem compromissos oficiais. Após o velório, deu declarações negacionistas, chamou a morte de crianças por Covid de ‘insignificantes’ e foi até uma loteria jogar na Mega Sena. No domingo, já em Brasília, sua agenda seguiu vazia.

Na segunda-feira 24, o site do Planalto chegou a registrar quatro eventos, cancelados logo em seguida sem justificativas. Na terça, a página permaneceu vazia também sem motivo divulgado.

ENTENDA MAIS SOBRE: ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar