CartaExpressa

André Lara Resende pede vitória de Lula no 1º turno para ‘pensarmos imediatamente no futuro’

O triunfo do petista em 2 de outubro evitará ‘semanas penosas de uma campanha agressiva e raivosa no País’, segundo o economista

Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

O economista André Lara Resende, um dos responsáveis por formular o Plano Real, voltou a defender a eleição de Lula (PT) no primeiro turno da eleição presidencial. Mais cedo, ele havia oficializado seu apoio ao petista.

Resende participou de uma agenda com Lula, em São Paulo, ao lado de outros representantes da sociedade civil que endossam a candidatura do ex-presidente, como o ex-senador tucano Aloysio Nunes.

“Essa aliança é uma tentativa de voltar o Brasil à normalidade democrática, ao seu papel importante na cena internacional, em relação à questão ambiental, de reintegração nos mercados internacionais, de revisão das finanças internacionais”, discursou o economista.

O triunfo de Lula é ainda mais necessário, porém, “para restabelecer a noção de normalidade democrática e institucional no País”, segundo Resende.

“É importantíssima a eleição imediata do presidente Lula para que possamos passar imediatamente a pensar no futuro, não continuar com mais algumas semanas penosas de uma campanha agressiva e raivosa no País.”

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar