CartaExpressa

Anderson Torres depõe à CPMI do 8 de Janeiro com tornozeleira eletrônica; veja imagens

O uso do equipamento é uma das medidas cautelares impostas em maio pelo ministro Alexandre de Moraes, do STF

O ex-ministro da Justiça Anderson Torres e o senador Sergio Moro na CPMI do 8 de Janeiro. Foto: Sergio Lima/AFP
Apoie Siga-nos no

O ex-ministro da Justiça Anderson Torres depõe nesta terça-feira 8 à CPMI do 8 de Janeiro usando uma tornozeleira eletrônica. Trata-se de uma das medidas cautelares impostas em maio pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, ao conceder liberdade provisória ao bolsonarista.

Torres estava preso por suspeita de omissão nos atos golpistas de 8 de Janeiro, quando ocupava o cargo de secretário de Segurança Pública do Distrito Federal. A decisão de Moraes acolheu uma recomendação da Procuradoria-Geral da República.

Ao deixar a prisão, o ex-ministro também foi proibido de se ausentar do DF e obrigado a manter recolhimento domiciliar no período noturno e nos finais de semana.

Confira imagens de Torres na CPMI (fotos de Sergio Lima, da AFP):

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.