CartaExpressa

Alertas de desmatamento na Amazônia caem 7,4%; Cerrado registra aumento

Os dados foram divulgados nesta quinta-feira pelo governo federal

Área preservada e de pasto no Cerrado - Foto: iStock
Apoie Siga-nos no

Os alertas de desmatamento na Amazônia caíram entre agosto de 2022 e julho de 2023, segundo dados divulgados nesta quinta-feira 3 pelo governo federal, com base do sistema Deter, do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Especiais). O levantamento considera o final do governo Jair Bolsonaro (PL) e o começo da gestão Lula (PT).

Foram desmatados 7,9 mil km² de área na Amazônia, no período, uma queda de 7,4% em relação ao mesmo período 12 meses antes, que teve registro de 8,5 mil km²  desmatados.

Os maiores registros são do estado do Pará, que concentra com 36,2% do total desmatado. O estado do Mato Grosso aparece em segundo.

No Cerrado, o movimento foi contrário, de aumento: entre agosto de 2022 e julho de 2023, o desmatamento saltou 16,5%, alcançando 6,3 mil km² destruídos no período.

Se destaca negativamente também o estado da Bahia, líder do desmatamento, respondendo por 26,3% de tudo que foi devastado.

Os dados mostram que 78,7% do desmatamento no Cerrado ocorre na região do chamado MaToPiba, que corresponde ao bioma nos estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar