CartaExpressa

Além de Massa na eleição presidencial, peronismo tem vitória retumbante para o governo de Buenos Aires

Axel Kicillof garantiu a reeleição para o comando da província sem precisar de segundo turno

O governador reeleito da província de Buenos Aires, Axel Kicillof. Foto: Juan Mabromata/AFP
Apoie Siga-nos no

Além de surpreender na eleição presidencial, com Sergio Massa chegando ao segundo turno como o candidato mais votado, o peronismo conquistou uma grande vitória na disputa para governador da província de Buenos Aires.

Axel Kicillof (Unión por la Patria) garantiu a reeleição em primeiro turno com uma larga vantagem sobre os adversários. Com 95% da apuração realizada, ele obteve 45% dos votos, ante 27% de Néstor Grindetti (Juntos por el Cambio) e 25% de Carolina Píparo (La Libertad Avanza, partido de Javier Milei). Rubén Sobrero (Frente de Izquierda) somou 4%.

“Estamos comemorando 40 anos de democracia. Neste ano, votamos pela décima vez para presidente da Argentina e quero deixar claro que esta democracia se baseia na profunda memória de uma época genocida. Esta votação significa: Ditadura nunca mais”, discursou. Trata-se de uma referência ao ultradireitista Javier Milei, que tenta minimizar o horror da ditadura argentina.

“A resignação e a antipolítica não nos derrotaram.”

Em seu pronunciamento, o governador reeleito também exaltou a vice-presidenta Cristina Fernández de Kirchner, principal referência do peronismo na Argentina.

“Vocês sabem que neste período CFK passou por um atentado contra sua vida e mesmo assim continua a liderar. Nunca nos incentivou a cair no ressentimento ou na vingança. É um exemplo contra quem recorre ao ódio e à violência”, afirmou.

Kicillof declarou, ainda, que em Buenos Aires “a grande maioria” sabe que há problemas, mas que eles serão resolvidos “com mais Estado, não menos” e “com mais solidariedade, não com egoísmo”.

“Sempre fomos um povo solidário: a província continua a acreditar em mais Estado, mais solidariedade e mais pátria.”

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar