CartaExpressa

Pelo menos 4 milhões vivem em áreas de risco no Brasil, estima o governo Lula

Segundo monitoramento, há 9.497 áreas de risco alto e 4.078 de risco muito alto

Foto: NELSON ALMEIDA / AFP
Apoie Siga-nos no

O governo Lula (PT) calcula que pelo menos 4 milhões de pessoas moram em áreas consideradas de risco no País. Dados do Serviço Geológico do Brasil de 30 de janeiro apontam 3.938.831 cidadãos em 13,5 mil áreas de risco. O serviço é vinculado ao Ministério de Minas e Energia. Cabe destacar, porém, que essa contagem é parcial e não leva em consideração todo o território nacional – ou seja, o número real tende a ser consideravelmente maior.

Segundo o monitoramento, há no mínimo 9.497 áreas de risco alto e 4.078 de risco muito alto.

As regiões são marcadas pelos seguintes problemas geológicos: deslizamento, em 7 mil áreas; inundação, em 4,4 mil; erosão, em 806; enxurrada, em 412; e queda, em 398.

Cinco estados concentram a maioria das regiões de risco: Santa Catarina, com 2,9 mil; Minas Gerais, com 2,8 mil; Espírito Santo, com mil; São Paulo, com 848; e Pará, com 819. Entre os municípios, destaque para Ouro Preto (MG), com 313; Nova Friburgo (RJ), com 254; Brusque (SC), com 199; Jaboatão dos Guararapes (PE), com 193; e Joinville (SC), com 140.

A estimativa do MME é semelhante à considerada pelo Ministério da Integração, a calcular 4 milhões de pessoas vivendo em áreas geológicas de risco.

Nesta quarta 22, o governo Lula (PT) oficializou a transferência de 7 milhões de reais para São Sebastião, a cidade mais atingida pelo temporal no litoral norte paulista.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.