CartaCapital

Incêndio em usina nuclear atingiu prédio de treinamentos, diz serviço de emergência da Ucrânia

Segundo os ucranianos, a segurança do local está garantida e não há mudança nos níveis de radiação

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

O incêndio reportado na madrugada desta sexta-feira 4 na usina nuclear de Zaporizhzhia, na Ucrânia, atingiu um prédio de treinamentos, segundo relato do serviço de emergência estatal ucraniano à agência Reuters.

Um porta-voz da usina confirmou à agência RIA que os níveis de radiação não mudaram. Além disso, a segurança contra radiação foi garantida, de acordo com o diretor da usina em entrevista à TV Ukraine 24.

“O diretor da usina disse que a segurança nuclear agora está garantida. Segundo os responsáveis pela usina, um prédio de treinamento e um laboratório foram afetados pelo fogo”, reforçou nas redes sociais Oleksander Starukh, chefe da administração militar da região de Zaporizhia.

Pelas redes, o ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, declarou horas antes que “o exército russo está atirando de todos os lados contra a central nuclear de Zaporizhzhia, a maior usina nuclear da Europa”. E emendou: “O fogo já começou. Se explodir, será 10 vezes maior que Chernobyl. Os russos devem cessar imediatamente o fogo, permitir os bombeiros e estabelecer uma zona de segurança”.

Moscou ainda não se manifestou oficialmente sobre o episódio.

Mais cedo, ao jornal britânico The Guardian, o diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atômica, Rafael Grossi, disse que o governo russo informou ao órgão que suas tropas assumiram o controle da área ao redor da usina, que abriga seis dos 15 reatores da Ucrânia.

Após o incêndio, a agência se manifestou pelas redes sociais e afirmou que “o regulador da Ucrânia disse que não houve nenhuma mudança relatada nos níveis de radiação na área da Usina Nuclear de Zaporizhzhia”. Também publicou que, conforme relatos ucranianos, “o incêndio não afetou o equipamento ‘essencial’ e o pessoal da usina está tomando medidas para mitigar” os danos.

Na terça-feira 1º, militares russos já reivindicavam o controle do território ao redor de Energodar, mas, na quarta, enfrentaram a resistência de trabalhadores da usina e de civis ucranianos, que bloquearam o acesso à cidade, de acordo com emissoras norte-americanas.

Energodar fica a 675 quilômetros de Kiev, capital da Ucrânia, e a 220 quilômetros de Kherson, principal cidade conquistada pelos russos até aqui.

No fim da semana passada, tropas de Vladimir Putin já haviam assumido o controle da usina nuclear de Chernobyl, palco do pior acidente nuclear da história.

Mesa de negociações

As delegações russa e ucraniana concordaram com a criação de corredores humanitários para evacuar civis, o que pressupõe um cessar-fogo temporário durante a retirada, confirmaram representantes dos dois lados. O avanço ocorreu na segunda rodada de negociações, nesta quinta-feira 3, em Belarus. Não houve, porém, acordo sobre o fim dos conflitos.

“A segunda rodada de negociações acabou. Infelizmente, a Ucrânia ainda não tem os resultados de que precisa. Há apenas decisões sobre a organização de corredores humanitários”, disse o assessor da Presidência da Ucrânia Mikhailo Podolyak nas redes sociais.

Citado pela agência russa Tass, Vladimir Medinsky, chefe da delegação de Vladimir Putin, classificou os acordos alcançados como um progresso significativo, em especial sobre os corredores humanitários.

“A principal questão resolvida hoje é a de salvar pessoas, civis, que se encontravam na zona de confrontos. Portanto, as partes concordaram sobre o formato para manter os corredores humanitários”, disse Medinsky, conforme a Tass.

Segundo o russo, os dois lados discutiram em Belarus três aspectos: os militares, os humanitários e os relacionados a uma futura solução política do conflito. “As posições são absolutamente claras, estão escritas ponto a ponto. Conseguimos encontrar entendimento mútuo para algumas delas.”

De acordo com a agência russa Sputnik News, Ucrânia e Rússia decidiram promover uma terceira rodada de negociações “no futuro próximo”.

Em discurso, Putin não recua

Vladimir Putin afirmou nesta quinta 3 que a operação militar deflagrada contra a Ucrânia avança conforme o planejado e que as missões são executadas “com sucesso”. Disse também que suas tropas lutam contra “neonazistas” para apoiar russos e ucranianos, que formam “um só povo”.

Em declaração ao Conselho de Segurança russo, Putin acusou “nacionalistas” e “mercenários estrangeiros” na Ucrânia de utilizar civis como escudos humanos no conflito.

“Nossos soldados lutam com firmeza e plena compreensão da justiça de sua causa. Mesmo depois de feridos, permanecem em formação e se sacrificam […] para salvar camaradas e civis”, afirmou o líder da Rússia.

Putin ainda disse que as forças ucranianas descumpriram uma promessa de remover equipamentos militares pesados de áreas residenciais. Em vez de cumprir os acordos, alegou, “tanques, artilharia e morteiros estão sendo implantados adicionalmente”.

Pouco antes do pronunciamento de Putin, o porta-voz do Ministério da Defesa russo, Igor Konashenkov, acusou o Ocidente de intensificar o envio à Ucrânia de soldados contratados de empresas militares privadas.

Também nesta quinta, o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, afirmou que deseja negociar diretamente com Putin, sob o argumento de que essa é “a única maneira de parar a guerra”.

Em entrevista coletiva, Zelensky se disse “aberto” e “disposto a abordar todos os problemas” com o mandatário russo.

CartaCapital
Há 27 anos, a principal referência em jornalismo progressista no Brasil.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.