…

Por que falar de cidades a partir da perspectiva da caminhada?

Blogs,Sampapé

[Este é o blog do SampaPé! em CartaCapital. Conheça o site aqui]

Todos caminhamos nas cidades. Seja para entrar no ônibus, descer do carro ou acessar uma estação de trem ou metrô. O caminhar é o que nos conecta com os lugares, com outros meios de transporte, com os espaços públicos e o mais importante: com os indivíduos.

O que pouca gente sabe é que o caminhar é, na realidade, o transporte mais utilizado nas cidades brasileiras. Segundo o relatório mais atual de mobilidade urbana da ANTP (Simob 2016), 41% dos deslocamentos nas cidades brasileiras são feitos exclusivamente a pé, ou seja, trajetos completos do ponto de partida até o destino realizados por passos e passadas.

Se por um lado essa é a forma mais comum de se deslocar na cidade, é também a mais negligenciada. Seja pela falta de investimentos públicos, pelo seu desprestígio social ou mesmo pela falta de reconhecimento como um modo de transporte.

Um dos resultados mais drásticos desta negligência é a quantidade de pedestres que morrem diariamente atropelados. Ou seja, gente que morre de forma precoce pelo simples fato de se deslocar pela cidade para acessar serviços e lugares.

Segundo o Observatório Nacional de Segurança Viária, no Brasil 6 mil indivíduos morreram atropelados em 2016. Em São Paulo, no ano passado esse número chegou a 331, uma média de seis pedestres mortos por semana, de acordo com dados da CET.

Em sua maioria, são mortes evitáveis e com total conexão com a estrutura das cidades brasileiras, voltada para a fluidez de automóveis.

Cidades e deslocamentos, tema transversal

Engana-se quem pensa que se deslocar a pé é um tema que diga respeito somente à mobilidade. O caminhar é transversal e muito mais do que se deslocar. Nas palavras do urbanista dinamarquês Jan Gehl, “caminhar te leva de um lugar ao outro, mas também é muito mais do que isso” (tradução livre).

Quando pensamos e discutimos melhorias públicas para o bem comum, muito se fala em investir em educação, saúde e segurança pública. Visando melhores escolas, hospitais e polícia. No entanto, pouco se aborda de que forma as estruturas de nossas cidades são cruciais para garantir o acesso das pessoas a tudo isso, e como são base para gerar melhorias de forma integral e efetiva em todas estas áreas.

Felizmente vêm ganhando destaque nos últimos anos estudos e pesquisas que tratam das conexões entre esses temas há. Como por exemplo as pesquisas do  médico, professor e pesquisador da USP Paulo Saldiva, em São Paulo.

Ele relaciona mobilidade e saúde em suas pesquisas, buscando mostrar principalmente os vínculos entre a poluição do ar gerada pela estrutura da cidade e pela forma de deslocamento com doenças e problemas de saúde que são também os principais causadores de morte (como arritmia, ataque cardíaco), sobrecarregando assim o sistema de saúde e reduzindo a expectativa de vida.

Saldiva destaca como a “mobilidade é um problema sério e é um problema de saúde que não é encarado como tal “.

Outra expoente da visão transversal sobre mobilidade é a jornalista norte-americana Jane Jacobs, consagrada pelo livro Morte e Vida das Grandes Cidades, de 1961.

Sua obra versa sobre Nova York, mas é uma referência para todo e toda urbanista ou interessado na vida urbana. Jacobs relaciona a segurança pública com a presença de gente na rua e a diversidade de usos, ou seja, as diversas maneiras de estar e prover serviços e comércio no espaço da cidade).

Em uma de suas célebres frases, ela destaca que “a calçada deve ter pessoas passando e a usando continuamente, tanto para aumentar o número de “olhos na rua” quanto para induzir as pessoas dos prédios ao longo da rua a observarem as calçadas”.

Mais uma visão transversal da mobilidade que ganha destaque é do pedagogo italiano Francesco Tonucci, que relaciona o aprendizado e autonomia das crianças à estrutura urbana.

Leia também: Por que falar de cidades a partir da perspectiva da caminhada?

Como exemplo, Tonucci conseguiu impactar a cidade de Pontevedra, na Espanha, que optou por dar espaço para o desenvolvimento das crianças.

Isso foi possível aumentando as calçadas, diminuindo a largura das ruas e reduzindo velocidade, de modo a mostrar para quem está nos veículos motorizados que eles não têm prioridade de circular no espaço urbano.

Ao contrário. Devem entender a importância de garantir a segurança dos que caminham, especialmente das crianças, que são muito vulnerabilizadas pela estrutura das cidades.

Mesmo aqueles inicialmente contrários a estas mudanças logo percebem que quando as crianças se desenvolvem toda a sociedade se desenvolve.

O caminhar é, portanto, central para alcançar melhores condições de vida nas cidades, e por isso envolve e está relacionado a muitas áreas essenciais de desenvolvimento da sociedade e dos indivíduos.

É preciso tratar a mobilidade a pé com a prioridade que merece não apenas por se tratar da forma de deslocamento mais elementar e menos poluente, mas também por seu caráter esportivo, saudável, sociável e promotor da convivência.

 Caminhando estamos na cidade, usamos o espaço público, convivemos e confrontamos as diferenças, fazemos exercícios, aprendemos sobre os lugares que passamos, vemos e interagimos.

Carros engolem ruas (Foto: Oswaldo Corneti/Fotos Públicas)                                                            

Caminhamos para cidades mais caminháveis

É motivado por todos esses fatores que, desde 2012, o SampaPé! atua para melhorar a experiência de caminhar na cidades, com qualidade, segurança e acesso. A organização acredita não apenas na importância de se promover o caminhar, mas também de usá-lo como ferramenta de diálogo e de transformações.

Por isso aceitamos o desafio de usar este espaço para falar do caminhar como forma de nos deslocar e também como forma de nos desenvolver enquanto sociedade.

Este blog se propõe a discutir mobilidade urbana e a vida nas cidades de forma integral, mas a partir principalmente do ponto de vista da mobilidade a pé e suas conexões com outros temas de nosso cotidiano.

Abordaremos questões de interesse de quem “usa” a cidade, mas não necessariamente detém conhecimento técnico sobre as principais questões que estão no debate. Viver e se deslocar na cidade é uma experiência diária de todas e todos.

Vamos caminhar juntos e juntas?

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem