Blogs

“Foi por ser mulher”, diz treinadora sobre saída da seleção

Para Emily Lima, que atualmente comanda o Santos, saída já estava sendo planejada pela CBF

A treinadora Emily Lima (Foto: Reprodução Instagram)
A treinadora Emily Lima (Foto: Reprodução Instagram)
Apoie Siga-nos no

Ser técnico de futebol é ter que mostrar resultado a cada partida. Atuar nessa profissão é, por si só, estar sempre em uma corda bamba. Para uma mulher parece que o peso é dobrado. Emily Lima é a atual treinadora da equipe feminina do Santos, chegando à final da Libertadores do ano passado e conquistando o título do Paulista. Além disso, ela é a única mulher a ter chegado no comando da seleção brasileira de futebol feminino.

A seleção de mulheres disputou sua primeira partida em 1986. Apesar disso, foram necessários 30 anos para uma mulher a comandar a equipe. Chegar à seleção do seu país é o principal objetivo de um profissional, mas nem sempre é garantia da felicidade.

“Mudou a minha vida como profissional. Aparecem e apareceram muitas oportunidades devido a ser a primeira mulher a estar no comando da seleção. Infelizmente, o que era mais importante pra mim, o trabalho, não consegui fazer”, diz a técnica.

Uma das dificuldades enfrentadas pelos técnicos é o tempo de trabalho. A passagem de Emily pela seleção principal durou apenas 10 meses e contou com um início arrasador: sete vitórias consecutivas. “É uma experiência incrível, mas não foi da maneira que eu esperava. Estava no início de um trabalho que foi quebrado pela metade”, lamenta.

Leia também: A menina que peitou o mundo para jogar futebol

Uma mulher no futebol ainda não é algo natural. Questionada se a passagem breve teve a ver com preconceito, a chefe das Sereias da Vila desabafa: “Acredito que sim. Depois de minha saída descobri algumas coisas. Acredito que foi por conta de ser mulher, estava planejado para isso acontecer”, desabafa. “Mas foi um grande aprendizado e fez com que eu crescesse como pessoa e profissional.”

Lado positivo

Emily é a treinadora do time de futebol feminino do Santos desde o início de 2018. A programação do ano passado foi focada em três competições: Paulista, Brasileiro e Libertadores. O time teve um bom rendimento, conquistando o Campeonato Paulista, chegando às quartas do Brasileiro e à final da Libertadores. Especialmente na competição sul-americana, as Sereias da Vila tiveram um ótimo desempenho ao longo do campeonato. Na final, empataram por 1 a 1 e acabaram derrotadas nos pênaltis.

Leia também: Não é só futebol, é empatia

A técnica também falou sobre os objetivos deste ano. “O alvo é o Campeonato Brasileiro, para colocar novamente o Santos na Libertadores”, resume.

A partir de 2019, os times masculinos da série A do Campeonato Brasileiro têm que cumprir a exigência imposta pela CBF de ter uma equipe feminina. O Santos é das poucas equipes a ter uma mulher no comando.

Futebol por Elas

Tags: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.