Futebol por Elas

Não é só futebol, é empatia

O futebol nos ensinou a abraçarmos pessoas que não conhecemos após um gol marcado

(Foto: Lucas Figueiredo/ CBF)
(Foto: Lucas Figueiredo/ CBF)
Apoie Siga-nos no

Ela surge quando menos esperamos. Está ligada a exemplos de boas ações que acontecem no mundo do futebol. Mas nos últimos anos, a frase “não é só futebol” também foi usada em meio às tragédias que abalaram o nosso coração.

Doeu né? Acordar e saber que o sonho da Chapecoense terminou no Cerro El Gordo. Acordar e ver que dez jovens tiveram seus sonhos interrompidos pelo fogo, justamente no lugar que deveria ser o porto seguro de adolescentes que saíram de casa ainda no início da adolescência.

Sonhos que tinham quase sempre o mesmo objetivo: dar uma vida confortável aos pais, avós, esposas e filhos. São nos momentos difíceis e de perda que nos tornamos mais humanos, e nos lembramos de um sentimento um pouco esquecido durante o nosso dia a dia: a empatia.

Sentir a dor da perda de pessoas que nem conhecemos. Abraçar o rival em meio às lágrimas e se indagar porque tantos sonhos foram interrompidos de forma tão trágica. Sentir a dor do próximo, se colocar no lugar de pais, mães, irmãs, namoradas… Não precisamos mandar a bola para escanteio e esconder as nossas bandeiras. Sejam elas tricolores, coloradas, rubro-negras.

Você não será menos torcedor do seu time do coração por chorar a perda de jovens e jogadores que defendiam outras cores. Demonstrar o sentimento te faz mais humano, mais empático. Já diria o escritor João Doederlim, ‘ter empatia não é sentir pelo outro, mas sentir com o outro’. E como a gente sente. Como dói o coração. Dores como está dilaceram quem possui sentimentos.

O futebol nos ensinou a abraçarmos pessoas que não conhecemos após um gol marcado. O futebol nos ensinou a aceitar as derrotas e saber que isso faz parte da vida. O futebol também nos mostrou que a rivalidade coloca pessoas especiais em nossa vida. Mas em meio a tantos momentos bons, o esporte também nos ensina com a dor. A dor do título perdido, da derrota… e também de perdas como estas.

O futebol é amor, mas acima de tudo, respeito. As torcidas se silenciaram, as bandeiras se uniram e se abraçaram, nos mostrando mais uma vez que não é só futebol, é vida.

Leia também: Até quanto vale o futebol?

CartaCapital
Há 27 anos, a principal referência em jornalismo progressista no Brasil.

Tags: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.