O ser humano diante das igrejas

A verdadeira religião é sempre libertadora e solidária. Nela, o fiel é sujeito e não objeto

Vitral de igreja (Foto: Pixabay)

Vitral de igreja (Foto: Pixabay)

Diálogos da Fé,Opinião

*Artigo escrito em parceria com o professor Waldir

“Todos os que tinham abraçado

a fé reuniam-se e punham tudo em    

comum: vendiam suas propriedades

e bens, e dividiam-nos entre todos,

segundo as necessidade de cada um”

Atos dos Apóstolos 2, 44-45

Sem a necessidade de grandes esforços, podemos concluir que vivemos em uma sociedade capitalista, globalizada e altamente consumista.

Esses elementos nos permitem traçar um dos perfis mais presentes em nossa época: a concorrência, na maioria das vezes desleal, estabelecida entre os seres humanos.

Sem se dar conta, o homem deixa de enxergar o outro como semelhante, transformando-o em concorrente, em obstáculo a ser vencido, passando a trata-lo como tal em todos os espaços da sociedade.

Não obstante, o mercado de consumo trabalha ferrenhamente por meio das novas tecnologias midiáticas, produzindo o desejo pelo supérfluo. Em outras palavras: o ter ocupa o lugar do ser.

 

Não importa mais o que você é: um homem, uma mulher, um jovem trabalhador… importa, sim, o que você tem. Convencidos disso, muitos daqueles que não possuem as coisas de último tipo, tornam-se ressentidos por sua condição e acabam alimentando inveja daqueles que têm.

Inveja esta que pode se transformar em um desejo incontrolável de possuir o objeto cobiçado, capaz de levar à prática de atos violentos para ter sua vontade realizada.

Não bastasse, o “espírito do capitalismo” paira sobre a sociedade e alimenta a falsa necessidade de possuir sempre mais para ser bem visto e respeitado, convencendo de que a realização pessoal está vinculada diretamente ao sucesso econômico e à ascensão social.

Na sociedade capitalista, o homem não é visto como cidadão, e sim como um número, um consumidor a mais que vale o que compra, que vale o limite de seu cartão de crédito. Nesta circunstância, aqueles que têm um limite baixo para compras passa a ser tratado como “cidadãos de segunda classe”, para os quais o mercado inventará uma nova modalidade de consumo que os levará a contrair dívidas buscando ostentar um estilo de vida que não condiz com sua realidade econômica. Estamos diante de um novo modelo de escravização e dominação.

É preciso um contraponto ao Deus-mercado (Foto: Pixabay)

O papel dos cristãos

Face a esta realidade, qual o papel das igrejas cristãs? O que cada uma delas pode (deve) fazer para que os seres humanos não sucumbam à violência gerada por este mercado de consumo escravizador?

Trazendo para cá a epígrafe que abre este texto, entendemos que a solidariedade e o compromisso com o bem comum devem ser os elementos norteadores para uma vida livre da dominação financeira imposta pelo universo do capital econômico, cabendo às igrejas grande parte da responsabilidade em propaga-los.

Contudo, é com tristeza que nos deparamos com “igrejas” que trouxeram o “espírito do capitalismo”, alimentador do consumismo, para suas esferas, doutrinando seus fiéis para que “lutem cada vez mais para terem cada vez mais”.

 

Não bastasse esta doutrinação, temos ainda a imposição inegociável de que os fiéis devem colaborar o quanto puderem para que a “igreja cresça”. Não basta o dízimo. Este é tido como condição sine qua non para que os fiéis sejam considerados integrantes daquela Igreja. O que você oferece a mais é que demonstra o tamanho da sua fé.

Perdoem-nos aqueles que discordarem, mas para nós, tais “igrejas” estão longe da verdade libertadora do Evangelho. Estão longe da prática da solidariedade, da partilha, da colhida ao estrangeiro, ao pobre e ao desvalido. Estas “igrejas” só enxergam números à sua frente.

Daí a necessidade de nos unirmos em torno do Cristo Libertador, vivendo uma teologia que liberta, uma doutrina que suaviza a caminhada e que atua verdadeiramente na construção do Reino de Deus.

A igreja deve demonstrar ao mundo que não somos apenas números diante do Pai, pois “… o sólido fundamento colocado por Deus permanece, marcado pelo selo desta palavra: o Senhor conhece os que lhe pertencem”. (2Tim 2,19).

A verdadeira igreja é libertadora e solidária. Nela, o homem é sempre o sujeito e nunca o objeto.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Pároco da Paróquia São Francisco de Assis de Ermelino Matarazzo, Diocese de São Miguel Paulista, na zona leste de São Paulo-SP. Importante liderança dos Movimentos e Pastorais Sociais da região, atua nas mais diversas áreas em defesa de Políticas Públicas que atendam efetivamente às necessidades da população.

Compartilhar postagem