Assinante

Pena frágil para crimes ambientais boicota preservação mais eficaz da Amazônia, diz presidente do Ibama

Em live exclusiva para assinantes de CartaCapital, Rodrigo Agostinho também tratou da posição estratégica do órgão em relação ao avanço de boas políticas ambientais

Apoie Siga-nos no

Em seus primeiros nove meses, a nova gestão do Ibama focou na contratação de novos servidores e em atingir o bolso de quem devasta as florestas brasileiras, principalmente na Amazônia.

Há, entretanto, um problema persistente que mina esses esforços: a leveza da lei sobre os desmatadores. O presidente do Ibama, Rodrigo Agostinho, comentou essa e outras questões durante uma live exclusiva para os assinantes de CartaCapital.

Temos uma legislação ambiental robusta, mas as penas por crimes ambientais são ineficazes, explicou Agostinho, biólogo e ex-deputado federal. “Alguém pode devastar uma floresta inteira e acabar compensando com uma cesta básica.”

Até agora, o Ibama aplicou 11.260 multas, totalizando quase 4 bilhões de reais – sendo 2,3 bilhões só na Amazônia.

Ainda durante a live, Rodrigo Agostinho tratou do imbróglio envolvendo a liberação de extração de petróleo na Foz do Amazonas, liderada pela Petrobras. Diante do risco de eventuais acidentes e do impactos sobre três terras indígenas, o instituto cobra da petroleira estudos mais sólidos respeito da viabilidade do projeto. “O Ibama não faz política energética, não existe proibição de extração.” 

Os assinantes de CartaCapital podem assistir a essa e outras transmissões exclusivas. Os demais leitores que querem ter acesso podem se tornar assinantes clicando aqui.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo