Os desafios econômicos de Lula e Haddad, o ‘Plano A’

André Barrocal entrevista o deputado federal eleito Lindbergh Farias (PT-RJ)

O presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva, tem um desafio antes da posse: garantir dinheiro no apertado orçamento federal de 2023 para pagar 600 reais de Bolsa Família a 21 milhões de pessoas. Cumprir a promessa eleitoral exigirá uma licença para gastar por fora do chamado teto de gastos, operação que deixa mal-humorado o dito “mercado”. E os financistas não são o único obstáculo: o Congresso precisa aprovar o plano lulista e já ensaia um toma-lá-dá-cá, ou seja, prefere saber primeiro que espaço terá no futuro governo Lula, antes de votar qualquer coisa neste fim de ano. Para o senador Jaques Wagner (PT-BA), Lula deveria indicar logo seu futuro ministro da Fazend, para facilitar as negociações. O “plano A” do presidente eleito para o cargo é Fernando Haddad, que acaba de representá-lo de um evento na Febraban, a federação dos bancos. Sobre esses assuntos, o repórter André Barrocal entrevista AO VIVO o deputado federal eleito Lindbergh Farias (PT-RJ), um dos participantes do governo de transição.

Cacá Melo

Cacá Melo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar