Eurodeputada Isabel Santos: o que Europa e EUA ainda podem fazer para pôr fim à guerra?

O redator-chefe de CartaCapital, Sergio Lirio, entrevista a eurodeputada portuguesa Isabel Santos, que parte em uma missão especial do Parlamento Europeu sobre a guerra na Ucrânia

A invasão da Ucrânia pela Rússia chega nesta segunda-feira 28 ao seu quinto dia. Tropas russas já capturaram regiões importantes no sul e oeste da Ucrânia, enquanto a ofensiva contra a capital Kiev enfrenta grande resistência. Em resposta, o G7 prepara uma nova rodada de sanções contra o governo de Vladimir Putin, ao mesmo tempo em que diversos países do ocidente anunciam o envio de ajuda econômica à Ucrânia. A União Europeia também irá enviar quantidades ‘significativas’ de armamentos ao governo de Volodymyr Zelensky. Em Belarus, começaram as primeiras negociações entre representantes russos e ucranianos por um cessar-fogo ‘imediato’. Ainda existe a possibilidade de um esforço diplomático e das pressões econômicas interromperem a ofensiva do exército russo?

Sobre esses assuntos, o redator-chefe de CartaCapital, Sergio Lirio, entrevista a eurodeputada portuguesa Isabel Santos, que parte nesta terça-feira 29 em uma missão especial do Parlamento Europeu sobre a guerra na Ucrânia.

Getulio Xavier

Getulio Xavier
Editor do site de CartaCapital

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar