Tecnologia

Musk diz que pagar preço mais baixo pelo Twitter ‘não está fora de questão’

Negócio de US$ 44 bilhões foi suspenso na semana passada. Bilionário diz ainda que não seguirá adiante se plataforma não provar número de contas fake

Musk vai fazer do Twitter a arena dos tolos - Imagem: Justin Pacheco/Força Aérea dos EUA
Musk vai fazer do Twitter a arena dos tolos - Imagem: Justin Pacheco/Força Aérea dos EUA
Apoie Siga-nos no

O bilionário Elon Musk voltou a fazer comentários sobre o acordo para a compra do Twitter. Desta vez, Musk disse que pagar um preço mais baixo pela rede social “não está fora de questão” e que não vai manter sua proposta de aquisição por US$ 44 bilhões se a plataforma não comprovar que tem menos de 5% de contas falsas. As ações da rede social voltaram a cair.

Na semana passada, ele havia dito que a oferta da rede social estava “temporariamente suspensa” devido à possibilidade de que os números sobre perfis falsos e de robôs estivessem subestimados. O próprio Twitter admitiu que teria de revisar as estatísticas.

A declaração de Musk sobre o preço de compra do Twitter foi feita numa conferência em Miami, na noite de segunda-feira, segundo pessoas que estiveram no encontro. Hoje pela manhã, o homem mais rico do mundo usou seu perfil no Twitter para falar novamente sobre o negócio.

Musk no Twitter: “Minha oferta foi baseada na precisão dos registros da SEC do Twitter. Ontem, o CEO do Twitter se recusou publicamente a mostrar prova de <5%. O acordo não pode avançar até que ele o faça.”

Ele tuitou que “o acordo pode não seguir adiante”, se a rede social não comprovar o percentual de perfis falsos. Segundo o Financial Times, o tema também foi alvo de conversas de Musk na conferência de Miami.

Perguntado se o negócio com o Twitter iria adiante, Musk disse que “isso depende de vários fatores” e que ainda “estava esperando alguma explicação lógica para o números de perfis falsos”.

Após o tuíte de Musk de hoje, as ações do Twitter recuaram 3% nas operações de pré-mercado em Nova York (ou seja, antes da abertura regular do pregão). Na véspera, os papéis já haviam recuado 8%, para US$ 37,39. O valor é bem abaixo do que os US$ 54,2 que Musk concordou em pagar pela empresa.

Cada vez que as ações caem, a empresa fica mais “barata”. Na sexta-feira passada, os papéis do Twitter chegaram a cair 20% após o empresário ter declarado pela primeira vez – em tuíte na própria plataforma – que poderia suspender sua proposta.

Muitos analistas acreditam que Musk tem tornado pública uma suposta hesitação no negócio justamente para barganhar, ou seja, para fazer com que o Twitter aceite um valor menor pela compra.

Apesar de ser o homem mais rico do mundo, a fortuna de Musk está concentrada em suas ações. E os papéis da Tesla, fabricante de carros elétricos do qual é fundador e principal acionista, já caíram 30% desde que o empresário anunciou seu acordo para comprar o Twitter.

Se desistir do acordo, Musk terá de pagar multa de US$ 1 bilhão. Pelo acordo, a rede social também pode obrigá-lo a fechar o negócio, a não ser que ele aponte alguma informação relevante que não havia sido relevada antes do acordo.

Musk já disse acreditar que ao menos 20% das contas da plataforma são fake. O presidente do Twitter, Parag Agrawal, postou uma mensagem na rede social ontem dizendo que já havia detalhado a Musk como a companhia calcula os perfis que são, na verdade, robôs.

Musk respondeu ao tuíte do executivo com um emoji de cocô.

Na noite de ontem, durante a conferência em Miami, Musk também disse que estava aberto à ideia de o Twitter se transformar em algo como o WeChat, o aplicativo de mensagens chinês que é considerado um superapp, com possibilidade não apenas de postagem de textos como também usado para fazer compras.

 

Agência O Globo

Agência O Globo
Agência de notícias e de fotojornalismo do Grupo Globo.

Tags: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.