ONG lamenta ‘acordo nebuloso’ e pouca ação dos países na COP26

O documento final aprovado preserva a ambição do Acordo de Paris, alcançado em 2015, de conter o aumento da temperatura global em 1,5ºC

Foto: ELLIS / AFP

Foto: ELLIS / AFP

Sustentabilidade

A Associação Nacional de Conservação da Natureza (Quercus) – organização não governamental (ONG) portuguesa da área de meio ambiente – lamentou nesta segunda-feira 15 o “acordo nebuloso” alcançado na Conferência do Clima em Glasgow (COP26) e a falta de ação dos países no compromisso de descarbonização da economia. A instituição pediu maior esforço até o final da década.

“A redução drástica e urgente das emissões de gases de efeito estufa continua a ser uma premência até 2030”, alertou a ONG. Ela lamentou não tenha sido assumido o abandono da utilização do carvão e o fim dos apoios e isenções concedidos às empresas de combustíveis fósseis.

A associação cita nações como a Índia, China, Arábia Saudita e os Estados Unidos como responsáveis pela “abordagem suavizada” na definição de metas. Disse que elas traduzem apenas “piedosas intenções que resolvem muito pouco ou quase nada” para o compromisso final assinado no sábado (13).

“O aumento do financiamento à transição energética dos países mais vulneráveis ficou sensivelmente na mesma meta não cumprida anteriormente, uma vez que não foi atingido o objetivo de financiar a adaptação climática dos países em desenvolvimento em 100 bilhões de dólares anuais. Continua ainda por ser definida a compensação aos países por perdas originadas pelas alterações climáticas”, denunciou.

Em comunicado, a Quercus mostrou-se insatisfeita pela reintrodução de 300 licenças de emissão no mercado do carbono. Lembrou que elas já tinham sido “abandonadas após o Protocolo de Kyoto“, ratificado em 1999, e que “o Acordo de Paris já nem sequer as previa”, em 2015.

Em termos positivos, a ONG destacou os acordos setoriais na área das emissões de metano, da reflorestamento e de incentivo a energias limpas nos veículos, apesar de considerar que são insuficientes para a limitação do aquecimento global a 1,5 grau Celsius até o fim do século.

Sem deixar de sinalizar que o número de participantes na conferência mostra uma “preocupação relativa às alterações climáticas como nunca tinha sido anteriormente obtida”, a Quercus espera que seja aproveitada a “fresta” aberta na COP26 para reforçar a luta contra as alterações climáticas e que a pressão social contribua para corrigir alguns aspectos na cúpula de 2022, em Sharm-el-Sheik, no Egito.

A 26.ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (COP26) adotou formalmente, no sábado, declaração final com uma alteração de última hora, proposta pela Índia, que suaviza o apelo ao fim do uso de carvão.

A alteração foi sugerida pelo ministro do Ambiente indiano, Bhupender Yadav. No encerramento da COP26, ele pediu para mudar a formulação de um parágrafo em que se defendia o fim progressivo do uso de carvão para produção de energia sem medidas de redução de emissões.

A proposta acabou por ser aprovada pelo presidente da cúpula, Alok Sharma, que disse “lamentar profundamente a forma com o processo ocorreu”.

O documento final aprovado – Pacto Climático de Glasgow – preserva a ambição do Acordo de Paris, alcançado em 2015, de conter o aumento da temperatura global em 1,5ºC acima dos níveis médios da era pré-industrial.

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, comentou o acordo, alertando que apesar de “passos que são bem-vindos, a catástrofe climática continua a bater à porta”.

*Com informações da RTP – Rádio e Televisão de Portugal

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias brasileira, pública e de acesso livre, gerida pela Empresa Brasil de Comunicação (EBC).

Compartilhar postagem