Sustentabilidade

‘Não confie em Bolsonaro’, diz campanha da Apib direcionada a Joe Biden

Cúpula sobre clima convocada por presidente americano gera receios de um acordo ‘com o pior inimigo’ da Amazônia, alertam organizações

Os presidentes Joe Biden e Jair Bolsonaro. Fotos: Angela Weiss/AFP e Marcos Correa/PR
Apoie Siga-nos no

A Associação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) articulou uma campanha direcionada ao presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, nesta segunda-feira 12. Em um vídeo feito em inglês, a organização é taxativa: “Ou a Amazônia, ou Bolsonaro. Você não pode ter ambos. De que lado você está?”.

O pedido é para que Biden não confie e não negocie com o presidente Jair Bolsonaro qualquer acordo que envolva o futuro da Amazônia — possibilidade aventada para ocorrer durante uma cúpula convocada pelo presidente americano, que acontecerá na próxima semana.

“Não deixe esse homem negociar o futuro da Amazônia. Ele declarou guerra contra nós. Contra os povos indígenas, contra a democracia. Ele espalha Covid, mentiras e ódio. Ele é um extremista que disse que a sua eleição é uma fraude“, diz a narração, que é acompanhada de imagens do presidente brasileiro.

Essa não é a primeira reação aos riscos de que um acordo forneça fundos que seriam supostamente direcionados ao controle do desmatamento. Uma carta assinada por 199 instituições da sociedade civil aponta que “não é razoável esperar que as soluções para a Amazônia e seus povos venham de negociações feitas a portas fechadas com seu pior inimigo”.

“As negociações ocorrem longe dos olhos da sociedade civil, que o presidente brasileiro já comparou a um ‘câncer’. O governo brasileiro comemora tais negociações, que envolveriam recursos financeiros. O presidente americano precisa escolher entre cumprir seu discurso de posse e dar recursos e prestígio político a Bolsonaro. Impossível ter ambos”, escrevem as entidades.

Convocado por Joe Biden no último dia 26 de março, o evento contará com a presença virtual de 40 líderes mundiais para “discutir a urgência e os benefícios econômicos de uma ação climática forte” e promete ser um prenúncio para os debates da próxima Conferência do Clima (COP) 26, que acontece em novembro na cidade britânica de Glasgow.

As negociações para um aporte financeiro bilionário por parte do governo americano já foram anunciadas, em partes, pelo ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles, em uma entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo na última semana.

Salles afirmou que, com 1 bilhão de dólares, o governo brasileiro se compromete a reduzir o desmatamento em 40%. O ministro não apontou, entretanto, qualquer contrapartida de redução da destruição com o orçamento atual destinado aos órgãos de controle, especialmente o Ibama, que tem o menor aporte financeiro para operar dos últimos 20 anos.

Enquanto isso, o desmatamento continua batendo mais recordes sob o governo Bolsonaro. Segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), os satélites que monitoram a Amazônia e o Cerrado rastrearam em março deste ano o maior índice de destruição dos últimos 6 anos, no primeiro caso, e dos últimos 3 anos de monitoramento do segundo bioma.

Joe Biden e Jair Bolsonaro ainda não tiveram um contato direto desde que o presidente americano assumiu o posto, em janeiro. Bolsonaro, que se orgulhava da alcunha de ser um ‘Donald Trump dos trópicos’, foi um dos últimos líderes mundiais a saudar a vitória do democrata, em meio a acusações infundadas de seu adversário republicano.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.