Sustentabilidade

Caatinga perdeu 160 mil hectares de superfície desde 1985, aponta Mapbiomas

Segundo levantamento, o principal causador do avanço sobre a vegetação nativa foi a agropecuária

Foto: iStock
Apoie Siga-nos no

A redução de vegetação natural da Caatinga superou os 6 milhões de hectares desde 1985, segundo um estudo divulgado nesta quinta-feira 6 pelo MapBiomasO encolhimento do território também se nota na reserva de água: o bioma perdeu mais de 160 mil hectares de superfície.

De acordo com o levantamento, o principal causador desse avanço sobre a vegetação nativa foi a agropecuária. O setor ganhou 6,7% de território, cerca de 5,7 milhões de hectares.

Dentre os oito estados da região Nordeste a abrangerem o bioma, o Ceará foi o mais afetado. Ali, o ganho de áreas de pastagens entre 1985 e 2021 foi superior a 320%. 

Já na Paraíba e no Rio Grande do Norte, as pastagens mais que dobraram, com índices que chegam, respectivamente, a 125% e 172%.

“A rápida transformação da Caatinga está provocando a transformação do bioma em algumas regiões”, explica Washington Rocha, coordenador da Equipe Caatinga do MapBiomas. 

Entre os alertas em destaque, a desertificação é a principal consequência da redução do bioma.

“Mapeamos a região de Irauçuba, no Ceará, e detectamos a expansão de um núcleo de desertificação. Padrão semelhante foi observado em outros núcleos de desertificação, como em Cabrobó (PE), com tendência de expansão para leste, no sentido de Alagoas, e em Seridó (RN), verifica-se expansão para sul em direção à Paraíba.”

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.