Sociedade

Autoridades investigam a morte de líder indígena que fez denúncia na ONU

O corpo de Tymbektodem Arara foi encontrado no rio paraense Iriri, com sinais de afogamento

Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

Autoridades investigam a suposta morte por afogamento de um líder indígena que denunciou na ONU atos de desmatamento e invasões de terras do seu povo, anunciou nesta terça-feira 31 a Polícia Federal.

Em 28 de setembro, Tymbektodem Arara expôs no Conselho de Direitos Humanos da ONU a luta do povo Arara contra a presença de mais de 2 mil invasores na terra protegida Cachoeira Seca, norte do Pará.

“Viemos aqui para exigir que se respeite nossa vida e o nosso território”, disse o líder indígena, em vídeo, durante a 54ª sessão do Conselho, com sede em Genebra. Ele denunciou o desmatamento no território e disse que as invasões são consequência da instalação da hidrelétrica de Belo Monte, inaugurada em 2016 no Pará.

O corpo de Tymbektodem foi encontrado 16 dias depois, no rio paraense Iriri, com sinais de afogamento, informou a imprensa. Ele tinha cerca de 40 anos, segundo a ONG Conectas Direitos Humanos.

A Polícia Federal do Pará confirmou à AFP que abriu uma investigação: “A causa da morte é apurada em investigação aberta pela Polícia Federal, na delegacia da cidade de Altamira”.

Margeada pelo rio Iriri, a Terra Indígena Cachoeira Seca compreende uma área de 7.340 km² habitada por 88 integrantes do povo Arara, segundo dados do Instituto Socioambiental.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo