Sociedade

Uma mulher foi estuprada a cada dez minutos no Brasil em 2021, revela relatório

Além disso, foram registrados 1.319 feminicídios no ano passado no país, ou seja, uma mulher foi assassinada a cada sete horas

Protesto contra a cultura do estupro no Brasil, em 2016
Apoie Siga-nos no

O número de estupros de mulheres no Brasil aumentou em 2021 em 3,7% em relação ao ano anterior, para 56.098 casos, o que representa um abuso a cada dez minutos, segundo relatório publicado nesta segunda-feira 7.

Além disso, foram registrados 1.319 feminicídios no ano passado no país, ou seja, uma mulher foi assassinada a cada sete horas, uma leve queda de 2,7% em relação a 2020, embora os números ainda sejam considerados altos, segundo o relatório elaborado pela ONG Foro de Segurança Pública na véspera do Dia Internacional da Mulher.

“Os dados divulgados apontam para a urgência de implementação de políticas públicas de acolhimento, prevenção e enfrentamento à violência contra meninas e mulheres no Brasil”, disse Samira Bueno, diretora da ONG, citada em um comunicado de imprensa.

“Apesar do leve recuo na incidência de feminicídios, os números permanecem muito elevados, assim como os registros de violência sexual”, acrescentou.

A taxa de mortalidade por feminicídio é de 1,22 por 100.000 mulheres.

O relatório, baseado nas denúncias recolhidas nas delegacias, reflete somente as violações denunciadas, apenas parte dos abusos cometidos contra as mulheres.

Por outro lado, o levantamento mostra que o número de feminicídios aumentou particularmente de fevereiro a maio de 2020, “quando havia maior grau de restrição pelo isolamento social”, que confinou grande parte dos brasileiros em suas casas no início da pandemia da Covid-19.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo