Sociedade

Taxa de homicídios no Brasil é cinco vezes maior que a média global

Estudo da ONU mostra que a América é o continente com maior número de assassinatos; El Salvador é o país com maior índice

Foto: Agência Brasil Foto: Agência Brasil
Foto: Agência Brasil Foto: Agência Brasil

Um estudo da Organização das Nações Unidas (ONU) revelou que a América é o continente com a maior taxa de assassinatos no mundo. O documento “O Estudo Mundial Sobre o Homicídio” foi divulgado nesta segunda-feira 8 pelo Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crimes (UNODC). A situação no continente americano é descrita como dramática: o registro é de 17,2 assassinatos a cada 100 mil habitantes, sendo a única região em que a taxa de homicídios aumentou desde 1990.

O informe demonstra um aumento sistemático de homicídios nos últimos 30 anos. De acordo com a pesquisa, em 2017, foram 464 mil homicídios, frente a 395 mil em 1992. Esses números são maiores que as mortes causadas por conflitos armados, que chegaram a 89 mil no mesmo ano.

A América Central é vista como a região mais violenta e perigosa para se viver. O país com maior taxa de homicídios a cada 100 mil habitantes é El Salvador (62,1), seguido de Jamaica (57) e Honduras (41,7).

Na América do Sul, a Venezuela lidera (56,8), seguida do Brasil (30,5). A taxa brasileira é cinco vezes maior que a média global (6,1). Segundo o relatório, a tendência do Brasil é crescente: em 2012, oscilava entre 20 e 26 a cada 100 mil habitantes.

Cerca de 1,2 milhão de pessoas perderam a vida em território brasileiro por homicídios dolosos entre 1991 e 2017. A UNODC alerta para o alto número de homicídios cometidos por policiais. Em 2015, a polícia brasileira assassinou 1.599 pessoas, bem acima de El Salvador (218) e Jamaica (90). Em números absolutos, Brasil e Nigéria, que respondem a cerca de 5% da população global, respondem por 28% dos homicídios no mundo.

O Chile foi o país que apresentou o menor índice (3,1), sendo o único na região com o número abaixo da média internacional. A Colômbia apresentou queda significativa, caindo de 80 em 1991 para 25 em 2017. Segundo a UNODC, uma das razões para o decréscimo foi a intensificação da ação estatal contra o tráfico de drogas no país.

A América é seguida da África (13), Europa (3), Oceania (2,8) e Ásia (2,3). O documento atribui o crescimento do número de assassinatos no continente americano ao crime organizado e à ação de facções. O crime organizado foi responsável por 19% de todos os homicídios em 2017.

O estudo também aponta para a facilidade do acesso às armas de fogo, usadas em mais da metade dos casos, além da desigualdade social, a impunidade, o consumo de drogas e os estereótipos de gênero.

Mulheres na mira familiar

Os homens são 81% das vítimas e 90% dos suspeitos. Porém, um recorte alarmante chama atenção para a violência de gênero: em maior parte, os assassinos das mulheres são parceiros íntimos ou familiares. Mais de nove a cada dez suspeitos em casos de homicídio são homens.

“Assassinatos cometidos por parceiros íntimos são raramente espontâneos ou aleatórios”, diz Yuri Fedotov, diretor-executivo do UNODC. Para ele, a questão do feminicídio frequentemente não é relatada e é “muitas vezes ignorada”.

No fim de junho, a ONU já havia divulgado um relatório indicando políticas para reduzir a desigualdade de gênero. Entre elas, estava a prevenção de violência contra a mulher dentro das famílias. De acordo com as Nações Unidas, 58% das mulheres vítimas de homicídio foram mortas por um membro da família.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!