Suspeito de estuprar a filha de 7 anos tem prisão decretada pela polícia, mas Justiça indefere decisão

Caso aconteceu em Santarém, oeste do Pará

Créditos: Pixabay

Créditos: Pixabay

Sociedade

Um enfermeiro suspeito de estuprar a própria filha de 7 anos, em Santarém, no oeste do Pará, vai continuar em liberdade, ainda que tenha tido a prisão preventiva decretada pela Polícia Civil e acatada pelo Ministério Público. O poder Judiciário, no entanto, indeferiu o pedido.

 

 

O delegado que comandou o inquérito, Madson Castro, explicou que logo que a mãe da criança formalizou a denúncia entrou com pedido de medidas protetivas para resguardar os direitos das vítimas.

Quando a responsável apresentou exames complementares que indicavam que a criança tinha adquirido uma infecção sexualmente transmissível (IST), solicitou a prisão do suspeito como forma de evitar que ele pudesse voltar a cometer o crime novamente contra os filhos.

No entanto, na quarta-feira 25, o Poder Judiciário indeferiu a prisão do investigado. De acordo com a decisão, a justiça não reconheceu o risco de o suspeito voltar a cometer o crime, pelo fato das crianças menores estarem sob os cuidados da mãe.

O caso veio à tona após a filha mais velha do casal, de 18 anos, procurar a imprensa para contar que a irmã havia sido estuprada e o culpado seria o próprio pai.

A denúncia foi formalizada pela mãe no dia 20 de outubro e, no dia 17 de novembro, o inquérito foi concluído e encaminhado à Justiça.

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem