Política

Silvio Almeida assina termo para executar programa voltado à população em situação de rua no Rio

A capital fluminense é a primeira cidade do País a receber o Plano Ruas Visíveis

Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O ministro dos Direitos Humanos e da Cidadania, Silvio Almeida, assinou nesta terça-feira 30 um termo de compromisso para executar o Plano Ruas Visíveis na cidade do Rio de Janeiro.

A capital fluminense será a primeira cidade do País a receber o programa. De acordo com a pasta, o município tem a segunda maior população em situação de rua (cerca de 14 mil pessoas), atrás apenas de São Paulo (54 mil).

“O que nós estamos construindo com este plano são as possibilidades, as portas de saída da rua”, disse Almeida na cerimônia de oficialização do programa, no Museu de Arte do Rio. “As pessoas precisam ser tratadas com dignidade, precisam ser mantidas vivas.”

O plano, lançado oficialmente em dezembro de 2023, conta com um investimento inicial de 1 bilhão de reais.

Entre as ações previstas estão a rearticulação do Comitê Técnico de Saúde da População em Situação de Rua, a formação de profissionais que trabalham na Política Nacional Sobre Drogas, o enfrentamento a técnicas construtivas hostis em espaços públicos e o oferecimento de moradias cidadãs.

Ao final da solenidade, Silvio Almeida reforçou a importância da escolha do Rio como pioneiro para a execução do novo programa. “Ousadia também requer responsabilidade. Ao adotar esse programa, a prefeitura do Rio de Janeiro passa a assumir a posição de exemplo diante de todo o Brasil.”

As próximas capitais a serem contempladas com o Plano Ruas Visíveis, segundo a pasta, são Belo Horizonte, São Paulo, Curitiba, Recife, Teresina, Brasília, Porto Alegre, Boa Vista e João Pessoa.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo