Economia

Não imagino um projeto para o Brasil sem uma indústria forte, diz presidente do Conselho Nacional do Sesi

Segundo Vagner Freitas, é necessário fortalecer a indústria com inteligência e mão de obra qualificada

O presidente do conselho nacional do Sesi, Vagner Freitas, em evento dos 30 anos de CartaCapital, em Brasília, em 14 de maio de 2024. Foto: Divulgação/CartaCapital
Apoie Siga-nos no

O presidente do Conselho Nacional do Sesi, Vagner Freitas, afirmou ser impossível imaginar um projeto de desenvolvimento para o Brasil sem uma indústria forte. Segundo ele, o País precisa aproveitar as oportunidades oferecidas pela transição energética e avançar em crescimento econômico, inclusão e justiça social.

As declarações foram proferidas em entrevista à reportagem na terça-feira 14, em Brasília, durante a primeira rodada de um ciclo de debates promovido por CartaCapital para celebrar seus 30 anos.

Para Freitas, é necessário fortalecer a indústria com inteligência, conhecimento e mão de obra qualificada. Não interessa ao País, em sua avaliação, “mandar as coisas brutas e comprá-las manufaturadas”. O plano Nova Indústria Brasil, lançado pelo governo Lula (PT) no início deste ano, aponta o caminho, de acordo com o presidente do Conselho do Sesi.

“O governo, quando aporta recursos e determina fortalecer a indústria, está pari passu com o que acontece com os maiores países do mundo.”

Vagner Freitas entende, porém, ser preciso aprofundar o debate na sociedade a respeito dos caminhos para fortalecer a indústria sobre novas bases – por exemplo, ligadas ao combate às mudanças climáticas.

“O presidente Lula, quando projetou o crescimento da indústria e apresentou uma proposta, foi criticado por alguns setores. Precisamos disputar esse papel na sociedade“, prosseguiu. “Eu não acho que esse projeto de desenvolvimento vem apenas de uma construção do governo. Um projeto para o Brasil tem de partir da organização da sociedade civil, que precisa puxar os poderes para que a gente tenha um projeto para o Brasil.”

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo