Sociedade

Registro de armas de fogo cresce 474% no governo Bolsonaro

O número de pessoas com posse de armas também aumentou, passando de 638 mil para 1,5 milhão, um crescimento 133,6%, de 2017 a 2021

Foto: EVARISTO SA / AFP
Apoie Siga-nos no

O número de pessoas com registros de armas de fogo cresceu 474% durante o governo do presidente Jair Bolsonaro (PL). Os números levam em consideração  registros para atividades de caçador, atirador desportivo e colecionador (CAC) até 1º de julho de 2022. Os dados foram mensurados pelo Anuário de Segurança Pública, com base em informações do Exército.

São 673,8 mil registros atualmente. A cada cem mil pessoas, 314 têm autorização. Em 2018, antes de Bolsonaro assumir, o número de pessoas com registros CAC era de 117,5 mil.

A maior concentração do registro de armas acontece em São Paulo (26%), seguido por Paraná e Santa Catarina, que representam 16% do total.

O número de posse de armas também aumentou segundo o estudo, passando de 638 mil para 1,5 milhão, um crescimento 133,6%, de 2017 a 2021. O porte também sofreu aumento de  15,9%, de 2020 a 2021, passando de 48,6 mil pessoas autorizadas para 56,3 mil.

Especialistas alertam para um aumento “descontrolado” de armas e munição em circulação, incluindo as de alta poder destrutivo, como fuzis, e reiteram que as consequências também passam por desvio de armas regulares para o crime.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.