Cultura

Ailton Krenak toma posse e se torna o 1º indígena na Academia Brasileira de Letras

Autor ganhou notoriedade nos últimos anos após a publicação da quadrilogia com Futuro Ancestral

Krenak agora ocupa agora a cadeira de número 5 na instituição. Foto: Mauro Pimentel/AFP
Apoie Siga-nos no

O escritor Ailton Krenak tomou posse na noite desta sexta-feira 5 na Academia Brasileira de Letras, se tornando o primeiro indígena a ocupar uma cadeira na instituição.

Krenak ocupa agora acadeira 5, vaga com a morte de Jose Murilo de Carvalho, em agosto de 2023.

Krenak foi eleito por 23 votos, superando a historiadora Mary Del Priore, que teve 12 votos e o indígena Daniel Munduruku, com 4. Ele será recebido pela Acadêmica Heloísa Teixeira.

Krenak afirma que uma de suas intenções é convidar a ABL para criar uma plataforma, que tenha uma experiência parecida com uma plataforma que já existe, a Biblioteca Ailton Krenak, disponível para quem deseja ter acesso a centenas de imagens, textos, filmes e documentos.

“Poderíamos fazer isso com todas as línguas nativas. Teria tudo a ver com a Academia Brasileira de Letras incluir mais umas 170 línguas além do português. Se olhamos os acervos que já existem, o Museu do Índio tem um acervo muito antigo de registros de narrativas, algumas delas só na língua materna”, disse.

Ailton Krenak, nascido em 1953, em Itabirinha (MG), é um dos organizadores da Aliança dos Povos da Floresta, uma organização que reúne comunidades indígenas e ribeirinhas no eixo amazônico. Suas obras dão destaque à cultura indígena e à ancestralidade na história do Brasil.

O autor ganhou notoriedade nos últimos anos após a publicação da quadrilogia com Futuro Ancestral, A vida não é útil, Ideias para adiar o fim do mundo e O amanhã não está à venda.

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo