Policiais invadiram hospital para tentar pegar bala que matou Ágatha

Segundo reportagem da revista Veja, os PM's pressionaram a equipe médica para entregarem a bala que matou Ágatha Félix

A garota Ágatha Felix, de 8 anos, que foi morta por um tiro de fuzil de no Complexo do Alemão. (Foto: Reprodução/Facebook)

A garota Ágatha Felix, de 8 anos, que foi morta por um tiro de fuzil de no Complexo do Alemão. (Foto: Reprodução/Facebook)

Sociedade

Entre dez e vinte policiais militares invadiram o Hospital Getúlio Vargas, localizado no bairro da Penha, no Rio de Janeiro, para tentar pegar a bala que matou a menina Ágatha Félix, de acordo com reportagem da revista Veja. Os profissionais da saúde, no entanto, se recusaram a entregar o projétil.

Ágatha foi ferida com um tiro nas costas na noite do dia 20 de setembro, quando estava dentro de uma kombi com a mãe, na comunidade Fazendinha, no Complexo do Alemão. Ela foi encaminhada para o Hospital Getúlio Vargas e chegou a passar por uma cirurgia de cinco horas, mas não resistiu aos ferimentos.

Moradores da região negam qualquer troca de tiros em conflitos com traficantes, como alegou a PM, e dizem que o tiro teria sido disparado por militares da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP), que miraram contra ocupantes de uma motocicleta em fuga.

Segundo a reportagem, os policiais pressionaram a equipe de médicos e enfermeiros a entregarem o projétil. Eles temem retaliações após relatarem o episódio à Polícia Civil, que tenta convencê-los a depor para contribuir com as investigações. A perícia feita na bala foi inconclusiva porque o fragmento do projétil não poderia ser comparado com as armas dos policiais.

O Departamento de Homicídios da Polícia Civil está investigando o caso e já fez a reconstrução do crime. Inicialmente, nenhum dos 11 PMs envolvidos direta ou indiretamente no caso participaria da reconstituição por orientação de suas defesas. Depois, eles alteraram a versão e aceitaram participar da simulação.

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Post Tags
Compartilhar postagem