Sociedade

Perícia indica que idoso levado a banco no Rio morreu deitado

A polícia contesta a versão da defesa de Erika Nunes de que o idoso teria morrido na agência

Apoie Siga-nos no

A Polícia Civil do Rio de Janeiro indicou que sinais encontrados no corpo do idoso Paulo Roberto Braga, de 68 anos, apontam que ele morreu deitado – ou seja, o falecimento não teria ocorrido durante o atendimento em uma agência bancária na zona oeste da capital fluminense.

Braga foi levado na última terça-feira 16 por Erika de Souza Vieira Nunes para sacar 17 mil reais em Bangu. Os funcionários, porém, suspeitaram que o homem estava morto.

A perícia inicial contesta a versão da defesa de Erika de que o idoso teria morrido no banco.

A Polícia Civil informou ao site G1 que havia livor cadavérico na parte de trás da cabeça de Braga e que a indicação é que ele morreu pelo menos duas horas antes do atendimento da equipe do Samu na agência.

O livor é um acúmulo de sangue decorrente da interrupção da circulação. No caso dele, acumulou-se na nuca, a sugerir que o homem deve ter morrido deitado.

Erika foi presa em flagrante e autuada por tentativa de furto mediante fraude e vilipêndio a cadáver. 

A polícia investiga ainda o possível envolvimento de outras pessoas em uma tentativa de golpe, como o motorista de aplicativo que deixou a mulher e o homem na agência.

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo