Negros são maioria da população que vive com salário mínimo, aponta estudo

Hoje, 43,1% dos negros ocupados recebem até 1.100 reais. Os dados demonstram a desigualdade racial e financeira do País

Negros são maioria da população que vive com salário mínimo, aponta estudo

Economia,Sociedade

Entre os cerca de 30 milhões de brasileiros que recebem apenas um salário mínimo, quase 20 milhões são negros. É o que aponta um estudo da consultoria IDados, publicado nesta segunda-feira 20, com base em informações do IBGE.

Trata-se de um recorde em comparação com os trimestres anteriores. Hoje, 43,1% dos negros ocupados recebem até 1.100 reais. No quarto trimestre de 2015, no melhor momento da série histórica, eram 34,4%.

Segundo dados do IBGE, a população negra representa mais de 54% dos brasileiros. O estudo divulgado pela IDados destaca que dessa parcela, são mais de 46 milhões de pessoas negras ocupadas no mercado de trabalho.

Do total de trabalhadores ocupados no Brasil, 34,4% recebem até um salário mínimo – o patamar também é o mais alto já apurado desde o início da série histórica, em 2012.

Quanto à escolaridade, 69,2% dos que recebem até um salário mínimo não tiveram acesso aos estudos. 

Outro dado preocupante aponta que, entre indivíduos com ensino superior completo, 13,4% recebem um salário mínimo. Em 2012, esse percentual era de 8,9%. Isso significa que mesmo os que se graduaram continuam a receber salários baixíssimos. 

A pesquisa também trouxe dados sobre os indicadores de pobreza. Atualmente, 18,67% dos brasileiros estão em situação de pobreza. Isso representa quase 40 milhões de pessoas. 

Indivíduos em situação de indigência representam 4,94% dos brasileiros, mais de 10 milhões de pessoas. 

O levantamento foi elaborado a partir dos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad), do segundo trimestre de 2021. 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site de CartaCapital

Compartilhar postagem