Mulher de Lázaro diz que policiais a torturaram durante buscas

'O policial deu três, quatro tapas no meu rosto. Ele quebrou o rodo da minha tia e ia me bater com o cabo', contou

(Polícia Civil de Goiás/Reprodução)

(Polícia Civil de Goiás/Reprodução)

Sociedade

A esposa de Lázaro Barbosa contou que policiais a torturaram para conseguir informações sobre o paradeiro do marido. A mulher, que teve sua identidade preservada, relatou as agressões ao programa Domingo Espetacular, da Rede Record. Lázaro está foragido há 13 dias.

“O policial deu três, quatro tapas no meu rosto. Ele quebrou o rodo da minha tia e ia me bater com o cabo. Eu pensei comigo: Senhor, eu não acho justo eu apanhar com esse cabo de vassoura. O Senhor sabe que eu não sei onde ele está”, contou a jovem.

A mulher também relatou que logo após as agressões sofreu outras ameaças. “Agora você fala ou a gente vai botar saco na sua cabeça e te afogar na água”, teriam dito os policiais. Um deles ainda disse não gostar de criança, em tom de ameaça a filha pequena do casal.

“Isso é um abuso, eles não podem bater na gente assim”, completou a mulher, que contou que também vem sofrendo constantes ameaças civis na sua cidade.

Outros abusos

As agressões contra a esposa de Lázaro não são as únicas relatadas durante a busca policial que já se arrasta por 13 dias. Líderes religiosos da região de Água Lindas de Goiás também denunciaram que nos últimos dias dezenas de policiais invadiram terreiros em busca de possíveis informações sobre o paradeiro do ‘serial killer’.

Segundo líderes, há uma tentativa descabida de relacionar os crimes de Lázaro com as religiões de matriz africana, o que tem causado invasões truculentas aos espaços sagrados por parte dos policiais.

Em vídeo divulgado pela Liderança da Minoria na Câmara, Tata Ngunzetala, um dos líderes de Candomblé que teve seu espaço violado pelas ações, conta que 12 terreiros e casas religiosas já foram invadidas em busca de informações que vinculem Lázaro às práticas religiosas de matriz africanas.

Buscas por Lázaro

As buscas por Lázaro Barbosa, principal suspeito de assassinar brutalmente uma família de quatro pessoas no Distrito Federal na quarta-feira 9, já entram no 13º dia. Centenas de policiais seguem na caça ao criminoso e contam com auxílio de cães farejadores, drones e helicópteros.

Lázaro, que vem sendo chamado de o ‘serial killer de Brasília’, segue cometendo crimes e atos violentos por onde passa. Do Distrito Federal a Cocalzinho, em Goiás, já invadiu propriedades, fez reféns, atirou em policiais e civis, roubou e incendiou veículos, entre outros.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem