Política

Morre Nalu Faria, histórica militante feminista, aos 64 anos

A psicóloga liderava a Marcha Mundial das Mulheres e integrava os quadros do PT

Nalu Faria, militante histórica da Marcha Mundial das Mulheres. Foto: Reprodução/Facebook
Apoie Siga-nos no

A feminista Nalu Faria, psicóloga e líder da Marcha Mundial das Mulheres, morreu na tarde desta sexta-feira 6, aos 64 anos, após uma parada cardíaca. De acordo com a organização, Nalu estava internada desde agosto.

Em nota, a Marcha declarou que “Nalu permanece viva na luta de suas companheiras”.

A Secretaria-Geral da Presidência da República manifestou “profunda tristeza” pela morte da feminista, que integrava a coordenação-executiva do Conselho de Participação Social da pasta.

A Fundação Perseu Abramo, do PT, escreveu que “Nalu foi uma daquelas mulheres que fizeram o bom combate, ensinaram o bom combate, acreditaram na construção da força das mulheres”.

A militante também integrava o Partido dos Trabalhadores.

A reportagem não obteve informações sobre o velório. Os dados serão atualizados.

Leia a nota da Secretaria-Geral da Presidência:

“Recebemos, com profunda tristeza a notícia do falecimento de Nalu Faria, integrante da coordenação-executiva do Conselho de Participação Social da Presidência da República, dirigente feminista da Marcha Mundial das Mulheres e importante liderança do Partido dos Trabalhadores.

Em nome do Conselho de Participação Social e da Secretaria-Geral da Presidência da República lamento profundamente seu falecimento.

Nalu era psicóloga e coordenadora da Sempreviva Organização Feminista (SOF). Formou gerações no feminismo popular e tornou-se uma liderança reconhecida internacionalmente, tendo atuado na construção de grandes eventos como o Fórum Social Mundial e a Marcha das Margaridas.

Neste doloroso momento, manifesto nossa solidariedade a seus familiares, amigos e a todas as mulheres que ela formou e inspirou”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.