Sociedade

Moradores de Umbaúba protestam após a morte de um homem ‘asfixiado’ em ação da PRF

O corpo de Genivaldo de Jesus Santos foi sepultado no final da manhã desta quinta feira 26

Créditos: Reprodução/TikTok
Créditos: Reprodução/TikTok
Apoie Siga-nos no

Moradores e representantes de movimentos sociais protestaram nesta quinta-feira 26 em Umbaúba, litoral sul de Sergipe, após a morte de Genivaldo de Jesus Santos em uma ação da Polícia Rodoviária Federal. O homem morreu por asfixia mecânica e insuficiência respiratória aguda depois de ser submetido a uma espécie de câmara de gás montada pelos agentes no porta-malas de uma viatura.

Os manifestantes interditaram um trecho da BR-101 que dá acesso ao município. Eles queimaram pneus e mostraram placas que clamavam por ‘justiça’. A ação da PRF contra Genivaldo aconteceu às margens da rodovia.

O ato também antecedeu o enterro da vítima. O corpo de Genivaldo foi sepultado no final da manhã desta quinta, depois de ser velado na casa da mãe dele, em Santa Luzia do Itanhy.

Representantes da CUT Sergipe se uniram às manifestações. Em nota, a central sindical afirmou que dirigentes se somaram à população para denunciar o crime e cobrar das autoridades competentes uma resposta. “Até quando a polícia vai continuar matando a população e continuar impune?”

A OAB Sergipe também se manifestou sobre o caso e, em nota, disse que acompanhará ‘de forma vigilante’ o desdobramento das investigações.

“A OAB Sergipe tem respeito pelas instituições, mas não compactua com qualquer tipo de violência ou de tortura, razão pela qual se manterá atenta à apuração da responsabilidade por quem causou a morte, respeitando a autonomia da Corregedoria da PRF, órgão com competência para apurar esses fatos.”

A Ordem indicou ainda que pedirá, em caráter de urgência, uma reunião com a Corregedoria da PRF, a fim de buscar informações sobre a apuração.

Em nota sobre o caso, a PRF disse que o homem ‘resistiu ativamente’ à abordagem e que, ’em razão da sua agressividade, foram empregadas técnicas de imobilização e instrumentos de menor potencial ofensivo para sua contenção’. O informe alega ainda que ‘durante o deslocamento, o abordado veio a passar mal e [foi] socorrido de imediato ao Hospital José Nailson Moura, onde posteriormente foi atendido e constatado o óbito’.

“A equipe registrou a ocorrência na Polícia Judiciária, que irá apurar o caso. A Polícia Rodoviária Federal em Sergipe lamenta o ocorrido e informa que foi aberto procedimento disciplinar para averiguar a conduta dos policiais envolvidos.”

O Instituto Médico Legal também atestou, em nota, ter identificado ‘de forma preliminar que a vítima teve como causa mortis insuficiência aguda secundária a asfixia’.

“A asfixia mecânica ocorre quando há alguma obstrução ao fluxo de ar entre o meio externo e os pulmões. Essa obstrução pode se dar através de diversos fatores fatores e nesse primeiro momento não foi possível estabelecer a causa imediata da asfixia, nem como ela ocorreu.”

 

Ana Luiza Basilio

Ana Luiza Basilio
Repórter do site de CartaCapital

Tags: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.