Mais da metade dos brasileiros é a favor do lockdown para conter o coronavírus

Embora a maioria da população concorde com a estratégia, o número de pessoas que assumem que estão saindo de casa aumentou

Créditos: EBC

Créditos: EBC

Sociedade

Mais da metade dos brasileiros é a favor do lockdown como medida para combater o avanço do coronavírus. Os dados são de pesquisa feita pelo Datafolha, divulgada na terça-feira 26. Para 60% dos ouvidos, a medida é recomendável. Já 36% são contrários, 2% não souberam responder e 1%, se dizem indiferentes.

A pesquisa ouviu, por telefone, 2069 adultos e considera margem de erro de dois pontos percentuais.

O lockdown é a paralisação especialmente dos fluxos de deslocamento, com uso da força do estado. A ideia é interromper o fluxo, evitar que as pessoas se desloquem e, portanto, se encontrem.

No País, a medida foi adotada em pelo menos 10 cidades dos estados brasileiros. Veja a seguir:

Maranhão

No Brasil, a estratégia foi adotada primeiramente no estado do Maranhão, depois de uma decisão da Justiça Federal de São Luís. A medida, que começou no dia 5 de maio,  ficou válida para a capital, além das cidades de São José do Ribamar, Paço do Lumiar e Raposa, e chegou ao fim no dia 17 de maio, embora ainda permaneçam válidas medidas restritivas.

Pará

O Pará também teve o lockdown decretado pelo governador Helder Barbalho (PMDB) para 10 cidades ao todos: Belém, Ananindeua, Marituba, Benevides, Santa Bárbara do Pará, Santa Izabel do Pará, Castanhal, Santo Antônio do Tauá, Vigia de Nazaré e Breves. A medida teve fim no dia 24 de maio, mas também estão mantidas as regras de isolamento social.

Amapá
O estado e a prefeitura de Macapá aderiram ao lockdown que teve início no dia 19 de maio. Válido para todo o estado, o lockdown segue até o dia 28 de maio, com acréscimo de rodízio de veículos nas cidades mais populosas como Macapá e Santana.

Fortaleza
A medida na capital cearense começou no dia 8 de maio e ficam válidas até o dia 31 de maio. Os decretos estadual e municipal vetam a circulação de pessoas em espaços públicos, tornam obrigatório o uso de máscaras nas ruas e restringem os deslocamentos a atividades essenciais, como a compra de alimentos e remédios.

Niterói e São Gonçalo
As cidades da região metropolitana do Rio também tiveram o lockdown decretados com prazo inicial até o dia 15 de maio.

A medida de paralisação de fluxo também chegou a cidades do interior do País, caso de Tefé (AM), Barbacena (MG), Guia Lopes de Laguna (MS), Primavera e Bragança (PA), Campina Grande do Sul (PR) e Itaú (RN).

Em São Paulo, a discussão pela medida chegou a ser cogitada mas foi descartada pelo governador João Doria em entrevista concedida à Globo News na segunda-feira 25. “O que posso antecipar é que nós não teremos o protocolo de lockdown sendo aplicado neste momento, seja na capital de São Paulo , ou em qualquer outra cidade do estado”, disse o governador. “O protocolo do lockdown existe, está pronto, mas ele não será aplicado neste momento”, acrescentou.

Ainda de acordo com a pesquisa, os mais ricos, que ganham acima de 10 salários mínimos, são os mais refratários à ideia: 50% são contra, empatados com 47% a favor.

Entre as regiões brasileiras, o Nordeste é que sinaliza maior apoio à estratégia com 69% das pessoas a favor; o Sul, por sua vez, é a que mais rechaça a medida, com 54% contra.

Ainda assim, o levantamento também identificou que, embora apoiem o lockdown, os brasileiros vem aderindo cada vez menos ao isolamento social. 35% dos ouvidos disseram que têm tomado os devidos cuidados, mas saído de casa. Nas três pesquisas anteriores, em 1º a 3 de abril, 17 de abril e 27 de abril, os índices eram respectivamente de 24%, 26% e 27%.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem