Sociedade

Líder da Renascer cita Bíblia e diz que esposa cansada não deve negar sexo ao marido

A declaração foi concedida na véspera do Dia Internacional das Mulheres

Reprodução do Facebook
Apoie Siga-nos no

O apóstolo Estavam Hernandes, líder da Igreja Renascer, afirmou na véspera do Dia Internacional das Mulheres que privar o marido de sexo contraria uma ordem da Bíblia.

A declaração foi uma resposta a uma seguidora que perguntou se seria obrigada a fazer sexo com o marido mesmo estando cansada.

“Olha, ninguém é obrigado a nada”, começa Hernandes. “Agora, a regularidade do sexo no casamento é uma determinação bíblica.”

Um trecho da mensagem foi compartilhado nas redes sociais, acompanhado da legenda: “Um dia antes do Dia da Mulher, o apóstolo Estevam Hernandes, da Igreja Renascer em Cristo, fala essa asneira em rede nacional. Pensamentos como esse devem ser deletados e retirados do ar”.

O religioso tenta justificar sua opinião com uma passagem bíblica: “Não vos priveis um ao outro, senão por consentimento mútuo por algum tempo, para vos aplicardes ao jejum e à oração; e depois ajuntai-vos outra vez, para que Satanás não vos tente pela vossa incontinência”.

“Ele fala que o corpo da mulher pertence ao marido, e o do marido pertence à mulher”, afirma Hernandes. “Ambos não devem se separar, não devem deixar de praticar sexo por muito tempo, a não ser por consentimento mútuo para período de consagração e oração.”

Para ele, a negativa de sexo autorizaria o marido a “buscar” outras mulheres.

“Se você chega cansada, você começa a ordenar melhor sua vida, ter uma disciplina para que possa satisfazer seu marido. Não dê brecha. Se fica sem praticar sexo, o que vai acontecer? Vai fazer com que ele busque outras alternativas, ou então o diabo ponha alguém no caminho dele porque simplesmente você está muito cansada.”

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo