Sociedade

Juiz absolve PM de estuprar garota dentro de viatura porque ela ‘nada fez’ para impedi-lo

Vítima poderia resistir ‘dizendo não’ a policial armado ou ‘pedindo ajuda’ a comparsa, afirmou o juiz militar Ronaldo Roth

(Foto: Divulgação/Governo de SP)
(Foto: Divulgação/Governo de SP)

O juiz Ronaldo Roth, da 1ª Auditoria Militar de São Paulo, decidiu não condenar por estupro policiais acusados de violentar e encobrir, dentro de uma viatura, o abuso uma jovem de 19 anos em Praia Grande (SP).

O processo corre em segredo de Justiça e foi obtido pelo portal G1 na terça-feira 22.

Para o juiz, a vítima não apresentou “resistência” contra o ato e “nada fez” para impedi-lo. Um policial foi inocentado e o outro condenado apenas por “libidinagem ou pederastia no ambiente militar”, mas não será preso por isso.

Na sentença, Roth afirma que a versão da vítima aponta intimidação pelo fato do sargento identificado como Danilo, que teria cometido o abuso, portar arma de fogo no momento em que a forçou a realizar ato oral.

Para o juiz, a garota poderia ter resistido “dizendo não à intenção do corréu” ou pedindo “ajuda” ao parceiro do policial, mas não o fez porque não quis.

“Ela poderia dizer não à intenção do corréu Danilo, ela poderia resistir, ela poderia chamar o outro corréu (motorista) para se ver livre daquela situação, mas nada fez”, diz a sentença. “Não houve violência física para a prática do ato libidinoso e também não houve grave ameaça”.

 

O estupro teria acontecido em 2019, após a garota pedir informações aos policiais em um ponto de ônibus por volta de 23h40. Eles teriam oferecido uma carona a ela, que aceitou e, depois, foi forçada a realizar atos sexuais pelo soldado que estava no banco de trás.

Após prestar denúncia na Delegacia, a perícia confirmou a presença do sêmen do policial no uniforme dele, e o celular da vítima também foi encontrado na viatura.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!