Sociedade

Guerra do tráfico leva caos à Rocinha e outras comunidades do Rio

Governador Pezão pediu, e Exército fará cerco à comunidade

Moradores, profissionais da imprensa e policiais se protegem de tiros em passarela na Rocinha
Moradores, profissionais da imprensa e policiais se protegem de tiros em passarela na Rocinha
Apoie Siga-nos no

A comunidade da Rocinha, na zona sul do Rio de Janeiro, voltou a registrar intensos tiroteios nesta sexta-feira 22. Os confrontos começaram no domingo 17, com uma disputa interna pelo controle do tráfico e, desde então, a comunidade tem sido palco de operações policiais e confrontos diários.

O governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) e o secretário da Segurança Pública, Roberto Sá, pediram a atuação das forças militares e o pedido foi autorizado pelo ministro da Defesa, Raul Jungmann. O cerco do Exército, que deverá atuar na parte baixa da comunidade, no acesso às vias expressas, começou por volta das 15h desta sexta. Segundo Jungmann, serão 950 homens e dez veículos blindados.

A Autoestrada Lagoa-Barra, que dá acesso ao bairro nobre de São Conrado, por exemplo, ficou bloqueada por quase quatro horas e foi reaberta por volta das 15h desta sexta-feira. As autoridades também demonstram preocupação com o acesso à Cidade do Rock, onde acontece o Rock In Rio, e já providenciaram mudanças no serviço especial de ônibus para o local do evento, na Barra da Tijuca (zona oeste).

Leia mais:
“Para combater a violência na cidade, produzimos violência na favela”
“Na Maré, muitos que estão morrendo nada têm a ver com o crime”

Na Rocinha, unidades de saúde e escolas foram fechadas, deixando mais de 2 mil alunos sem aulas. A Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da comunidade foi atingida por diversos tiros nesta sexta, e ao menos um ônibus foi incendiado.

rocinha_cerco.jpeg Maior favela do Rio de Janeiro, a Rocinha está em guerra desde domingo

De acordo com a polícia, o objetivo dos criminosos que invadiram o morro no domingo era tirar o controle das mãos de Rogério Avelino da Silva, o Rogério 157. A ordem, diz a corporação, partiu de Nem da Rocinha, ex-chefe do tráfico na comunidade. Preso em penitenciária federal de segurança máxima em Porto Velho (RO), Nem ordenou o ataque por não estar satisfeito com seu substituto, mas não teve êxito no plano.

Nesta sexta, relatos de tiroteios foram registrados em outras comunidades do Rio, e ao menos dois jovens foram feridos.

Na comunidade Nova Brasília, no Complexo do Alemão, um estudante de 18 anos foi baleado dentro da escola, durante uma aula de educação física. Na comunidade Nova Holanda, no Complexo da Maré, uma jovem de 16 anos foi atingida por estilhaços de bala.

Também foram registrados confrontos nas comunidades Dona Marta, Vila Kennedy, Chapéu Mangueira e Jorge Turco.

Rocinha No domingo 17, criminosos comandados por Nem da Rocinha tentaram tomar o morro

CartaCapital

CartaCapital Há 27 anos, a principal referência em jornalismo progressista no Brasil.

Tags: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.